domingo, 21 de outubro de 2007

Botafogo no Engenhão




Estádio Olímpico João Havelange / Engenho de Dentro / Rio


Ontem, finalmente, conhecemos o Engenhão, como é chamado o Estádio Olímpico João Havelange. E, estreei no campeonato brasileiro deste ano. Eu havia acompanhado os outros campeonatos - copa do brasil e carioca -, mas neste ainda não havia ido a nenhum jogo. Juntamos a chance de conhecer o Engenhão, o ingresso a R$ 10 e o fato de que o Botafogo precisava virar o jogo.

Estava há várias rodadas sem ganhar. Fora de brincadeira, o time precisava que eu fosse assistir a partida para voltar a ganhar. Eu falo isso, de nariz empinado, porque nunca vi o Botafogo perder. Estou invicta no Maracanã e no Engenhão agora. Claro que tudo pode mudar, como já aprendi. Há semanas, o Botafogo estava em primeiro no campeonato. De repente, pego por uma onda ruim, foi só descendo na tabela. Nunca acompanhei futebol de perto e fiquei bem impressionada.

Ainda mais depois que o Cuca saiu do time. Apesar de o Cuca ter jogado no Grêmio, eu gosto muito dele, como grande parte da torcida alvinegra. Ainda bem que ele voltou. Agora, espero que o time volte a ser aquele do início do ano, quando só ganhava. Ruim é que alguns dos melhores jogadores está pensando em sair, o Juninho parece que já está certo e o Dodô já anunciou também. Como tenho pouca experiência nessa história de futebol, isso me apavora um pouco.

Comecei a gostar do time com os jogadores que estão ali e vai ser difícil superar a separação, mas acho que é assim mesmo, né? As pessoas gostam do time, independente dos jogadores. Lúcio Flávio, Leandro Guerreiro, Dodô, Juninho, Zé Roberto são os primeiros jogadores de time - e não da seleção, que não mais fáceis de serem conhecidos - que eu consegui guardar o rosto e o nome. Fora o Julio Cézar, mas este, de uns tempos para cá, passei a ter receio. Se a bola se aproxima do gol, sinto um gelo na barriga... de medo.

sexta-feira, 19 de outubro de 2007

Velinhas



Velinhas


Se tem algo que eu gosto muito é um jantar à luz de velas. Aqui em casa, eu sou a responsável pela escolha das velinhas. Existem algumas intocáveis, que o Claudio usa como decoração. As demais, estão liberadas para decorar a mesa ou o ambiente em que estamos jantando. Compramos uma muito legal na Imaginarium e costumamos pendurá-la na varanda em nossos jantares ali. A primeira foto foi feita durante um jantar harmonizado que realizamos nesta semana. É para ser publicada em outros blogs - levinaublog e gourmandise. Esses copos que usamos como porta-velas foram comprados em nossa ida a São Paulo em junho. Gostamos tanto que compramos mais dois - azul e verde - para colocarmos no quarto também.

segunda-feira, 15 de outubro de 2007

Centro




Baía de Guanabara / Rio de Janeiro

Sábado passado, como eu não tinha aula, resolvemos visitar a Ilha Fiscal, uma bela ilhazinha localizada no Centro da cidade. Só que uma turma inteira de Rio Bonito acabou com nossos planos e todos os ingressos para o passeio de barco. Então, resolvemos dar uma andada por ali e depois fomos até Niterói de barca, algo que eu ainda não tinha feito. O passeio é bem legal. Só que o melhor é ir até Charitas. A estação do Centro de Niterói não tem muito mais que um shopping center para ser visto.