sábado, 28 de março de 2009

Eu apoio!


Está quase na hora de todos nós desligarmos as luzes de casa! E tentar mostrar que nos interessamos pela saúde do planeta.

Isso é o que eu gostaria de fazer e até faremos, de certa forma, pois não estaremos em casa e tudo ficará às escuras. Vamos ao aniversário de minha cunhada e lá sei que será complicado ficar no escuro por uma hora.

Eu sou preocupada com o assunto meio ambiente, apesar de ainda cometer coisas que me envergonham, como, por exemplo, esperar a água esquentar no chuveito a gás.

Hoje, caminhando pela Lagoa, fiquei (de novo) horrorizada com a sujeira, plásticos, garrafas, um pouco de tudo flutuando pelas águas. Dá uma tristeza. Pior foi que demos o restinho de uma água para um garoto de rua e ele jogou a nossa garrafinha também na água, apesar de eu ter dito para ele jogar em um lixo quando acabasse. Fico pensando se não foi isso que fez com que ele jogasse o plástico na água, só para meio que provocar...

Se eu não fosse recriminada por isso (um dia eu consigo deixar de me importar com olhares feios), eu sairia sempre com uma sacolinha para juntar o lixo que me incomoda tanto nas ruas.

Agora, vou desligar o computador, pelo menos.

sexta-feira, 27 de março de 2009

Dia de fúria

Meu dia começou bem hoje, mas em dois momentos eu realmente fiquei muito irritada.

O primeiro momento foi ao ler a "resenha" do show de ontem, feita pelo Jamari França, no site do Globo. Ele começa o texto perguntando o que leva 6 mil pessoas a sair de casa para ver o pop pasteurizado do A-ha. Depois de ler esta primeira frase, pensei: imagina o que vem no resto do texto.

Eu já cobri show que eu não gostava, mas nunca desrespeitei os leitores desse jeito. Muito infeliz essa primeira frase e as demais que vieram depois. Não por acaso, o texto está sendo recorde de comentários no site. Depois ele segue destilando a dor-de-cotovelo que ele sente pela banda. 

Repulsivo.

O segundo momento foi durante a ida à Caixa. Seria tão bom se desse para fazer tudo pela internet... Assim não precisaríamos nos submeter à falta de preparo dos funcionários. 
Um pouco menos de burocracia seria bem útil também. Exemplo: precisava mudar o endereço, que ainda é o de Florianópolis, mas não consegui, porque não vale eu estar ali pessoalmente, com documentos, preciso apresentar um comprovante que mostre que eu não estou mentindo. Menos mal que ela sugeriu enviar o que pedi para a agência e não para o endereço antigo. Esse foi apenas um detalhe da ida ao banco. O resto foi ainda pior, mas deixa para lá, para não me irritar de novo.

Pelo menos o fim do dia será bem agradável, com risoto, vinhozinho e boa companhia.

Bom fim de semana a todos.

Show do A-ha



Diferente do que vários "críticos musicais" escreveram, eu achei o máximo o show do A-ha! Adorei! Cantei, dancei e fiquei bem feliz por vê-los ao vivo.

Agora, já posso fazer um ok com canetinha vermelha ao lado de "- um dia ver show do A-ha", na minha lista de sonhos/vontades para esta vida. :)

Única coisa que lamentei foi não terem tocado You're the one e Touchy. No mais, foi muito legal. 

Fazia tanto tempo que eu não ia a um show - o último foi o do Magic Numbers, no ano passado ainda -, e fiquei surpresa com a quantidade de câmeras. Está todo mundo virando japonês - nós fizemos cinco fotos só, sendo que três foram de nós dois. Ao invés de curtir o show, parece que as pessoas estão mais preocupadas em fazer uma foto para depois mostrar para os outros. :)

quinta-feira, 26 de março de 2009

A-ha!


Hoje, nós vamos ao show do A-ha!

Quase todas as pessoas para quem eu falei isso torceram o nariz. Em praticamente todos os casos, em seguida, eu logo expliquei:

Quando o A-ha fez sucesso, lá por 1989, eu morava em Esmeralda, uma cidade pequenininha lá no interior do Rio Grande do Sul. Morando em Esmeralda era quase* impossível participar de qualquer show internacional que fosse, muito menos um show no Rio de Janeiro, lugar que, naquela época, eu nem imaginava que conheceria um dia, muito menos que iria morar.

Lembro ainda muito bem da noite em que a Rede Globo exibiu o especial do A-ha. Assisti numa tevê preto e branco que ainda tinha lá em casa, roubada da cozinha e devidamente instalada em cima de um criado-mudo lá no 'quartinho de trás' (para minha mãe não ouvir, pois ela não gostava que dormíssemos muito tarde).

Bom, os anos se passaram, o A-ha deu uma sumida aqui do Brasil. (O engraçado é que quando eu morei na Alemanha, em 2000, eles estavam lançando um disco novo e lá, como era aqui, fizeram bastante sucesso).

Em 2004, eles voltaram a minha vida, quando troquei um vale-presente na Catarinense pelo dvd com os clipes. YouTube ainda era algo que não existia - eu acho. Lá em Esmeralda também não pegava MTV, só nas casas com parabólica, e eu sempre fui louca para ver clipes. Comprado o dvd, fiz várias pessoas assistirem comigo. (Lembra disso, Felipe?)

Em dezembro passado, em Mendoza, conheci dois noruegueses e falei que gostava do A-ha. Comentei com eles que achava que nunca mais teria a chance de vê-los cantar pessoalmente, pois eles eram coisa do passado.

Por isso, vocês não imaginam o tamanho da minha felicidade quando soube que eles voltariam! Eles podem estar 'velhos', só tocarem músicas do passado e tudo o mais, mas uma coisa é muito certa: não vai ter ninguém neste show mais empolgada do que eu. Vou realizar um sonho tido há 20 anos!

domingo, 22 de março de 2009

Matando a saudade

"E até quem me vê
Lendo jornal
Na fila do pão
Sabe que eu te encontrei
E ninguém dirá
Que é tarde demais
Que é tão diferente assim
Do nosso amor
A gente é quem sabe
."

Rodrigo Amarante, Los Hermanos, hoje à noite, no Multishow (já que não deu para ver pessoalmente na sexta passada...)

quinta-feira, 19 de março de 2009

Passeando pela cidade 2

Mais algumas:


Vista do Mirante do Leblon.

Uma onda arrebentando em Camboinhas, Niterói.

Caminhozinho no Parque Lage.


Parque Lage.

Passeando pela cidade

Agora algumas fotos dos lugares por onde passamos com nossas visitas. :)


Centro da cidade visto do Parque das Ruínas, em Santa Teresa, num finzinho de tarde. O dia estava nublado, mas nessa hora um raio de sol iluminou o centro. Estava muito bonito.

Uma janela em Santa Teresa.

Roda-gigante no Forte de Copacabana. Ao fundo, Praia do Diabo.

Vista meio enuviada de Copacabana, visto do Forte.

Ruazinha de dentro do Forte de Copacabana.

Família


Isabelle andando a cavalo


Olhando esta foto da minha sobrinha, lembrei-me da época em que meus primos, meus irmãos e eu passávamos os domingos, praticamente todos, no sítio dos nossos avós. Andar a cavalo fazia parte da programação. Os meninos podiam andar no cavalo mais rápido. As meninas tinham como opção a Mocinha e a Branquinha, que eram mais calmas. Todas as éguas lá do sítio do vô se chamavam assim: Mocinha quando eram novas e Branquinha depois que chegavam a uma certa idade. Era um passatempo divertido. 

domingo, 15 de março de 2009

MAC


Museu de Arte Contemporânea de Niterói


Os últimos dois fins de semana foram muito legais, pois recebemos visitas e passeamos bastante pela cidade. Esta foto aí de cima foi feita no MAC, em Niterói, projetado pelo Oscar Niemeyer.

sexta-feira, 13 de março de 2009

Davi chegou!




Acabei de ver na minha lista do messenger que o Davi chegou. Enquanto a mamãe Lu Zonta não envia fotos, fica esta linda, feita algumas semanas antes do nascimento.

Pré-conceito

Na primeira reunião do mestrado hoje de manhã, rolou a seguinte frase:

(Estavam falando sobre informações do mestrado)

- Bom, se nós não soubermos dar informações, imagine quem saberá. (E aí do nada) Só jornalista mesmo é que quando não sabe a informação, inventa. 

Os dois jornalistas (eu e outro) presentes protestaram e a tal professora pediu desculpas na hora.

Essa, sinceramente, é uma fama que me incomoda muito, apesar de saber que caráter e boa conduta não são características muito importantes para todos (não só jornalistas) neste mundo. 

domingo, 8 de março de 2009

quinta-feira, 5 de março de 2009

Mancha verde no Catete


Vista do jardim do Palácio do Catete da janela da minha ortodontista


Um dos meus lugares preferidos da Zona Sul é essa mancha verde aí da foto: o jardim do Palácio do Catete. Para minha felicidade, a minha ortodontista atende ao ladinho e de três em três semanas eu posso dar uma passada por ali. Quando tenho cinco minutos, aproveito para me sentar num banquinho e observar o público tranquilo que circula por ali. 

Gatinho




Na semana passada, fui almoçar no Rio Sul e, no caminho da saída do shopping, fui parada pela vitrine da Renner. Não resisti. Acabei comprando essa camiseta de gatinho. Tinha outras, também fofas, de pingüim, sapo e urso. Lindas!

quarta-feira, 4 de março de 2009

terça-feira, 3 de março de 2009

Viagem no tempo

É curioso como uma música pode nos levar para outra época tão rápido. Ouvindo The Smiths, acabei me lembrando de um amigo - aquele do braço tatuado. Agora, numa volta por músicas dos anos 1990, deu uma saudade de uma amiga que conheci aos 14, mesma idade que o filho dela fez no último fevereiro. Melhor é aproveitar cada instante mesmo, pois o tempo não fica esperando você acabar o que tem para fazer para seguir adiante. 

There is a light that never goes out

Saudades do menino de braço tatuado.

Registros do domingo no Maracanã











Nesta última, um grupo branquelo de catarinenses. :)

Ah, acabei esquecendo de um outro time meu, o Juventude, de Caxias do Sul, o que não significa amor menor.

segunda-feira, 2 de março de 2009

Domingo no Maracanã

"Domingo, eu vou ao Maracanã
Vou torcer pro time que sou fã,
Vou levar foguetes e bandeira
Não vai ser de brincadeira,
Ele vai ser campeão

Não quero cadeira numerada,
Vou ficar na arquibancada
Prá sentir mais emoção

Porque meu time bota pra ferver,
E o nome dele são vocês que vão dizer
Porque meu time bota pra ferver,
E o nome dele são vocês que vão dizer

(Ô, ô, ô )
Ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô FOGO!
Ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô FOGO!"
(Letra de Neguinho da Beija-Flor)


Ontem fomos ao Maracanã para ver a final da Taça Guanabara. Fazia mais de um ano que eu não ia ao estádio e fiquei supresa com o aspecto do Maracanã. Agora tem dois telões, os placares são novos, não passa mais vendedor de cerveja no meio do jogo, os banheiros ganharam uma cara melhor (olhando assim de longe) e tinha até uns passatempos para as crianças. Ficou melhor.

Eu fiz foto com o mascote do Botafogo, bebi coca-cola, gritei bastante, pulei e fiquei tranquila quando o Botafogo fez o terceiro gol - eu não tenho nervos para aguentar um campeonato inteiro, por isso torço de longe pelos meus times*.

Depois de tudo isso, foi muito ver o Botafogo dando a volta olímpica no estádio. Imagino que o meu Internacional deve ter feito o mesmo lá em Porto Alegre. Foi um domingo feliz.

*Internacional, Botafogo, Figueira, Bayer München e Glória de Vacaria.

domingo, 1 de março de 2009

Rio, Feliz Aniversário!

O Rio de Janeiro completa hoje 444 anos. Parabéns!



Copacabana, vista do Pão de Açúcar