segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Dia de folga

Hoje acordei no mesmo horário de sempre, às 5h45, mas o dia está passando em um ritmo bem mais tranquilo porque estou de folga. Resolvi compensar algumas horas extras que tinha e aproveitar esse tempinho livre para adiantar um pouco meu texto do projeto de doutorado. As coisas vão a passos bem lentos, mas de linha em linha o número de páginas e o volume de conteúdo vai aumentando.

Como hoje estou com meus horários mais flexíveis, resolvi aproveitar para fazer um novo cronograma de malhação. O instrutor que me atendeu, Ronaldo, foi muito simpático. Pode parecer normal para quem malha na bodytech ter um instrutor legal, mas na SmartFit nem sempre isso é assim. Por isso, Ronaldo merece um grande elogio. Além de ser simpático, explicou cada exercício com muita paciência. Acho que agora vai!

Aliás, além do desafio dos #100happydays, este será outro desafio a ser encarado até o Natal. Claudio e eu queremos viajar em forma ao Uruguai. Então começamos hoje não apenas um novo programa de atividades, mas de alimentação. Estou confiante de que vai dar certo!

Também pretendo continuar tentando ser uma melhor pessoa, com mais paciência e compaixão. É necessário manter muita concentração para conseguir. Vamos lá!

Ontem consegui mandar ampliar algumas fotos da viagem que fiz com a mãe. Aproveitei a promoção anunciada por uma loja aqui perto de casa. Agora só estou com um ano de fotinhos atrasada. Há esperança. Falando em atraso, voltamos a postar no Le Vin au Blog. Em breve, esperamos tê-lo atualizado.

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Exames, filme e folga

O grau de complexidade dos exames que começamos a fazer denota, de certa forma, que estamos envelhecendo. Hoje fiz minha primeira ressonância magnética. Não é um daqueles exames que você faz de qualquer jeito. Ficar dentro daquele tubo causa certo desconforto. Deu tudo certo, consegui ficar tranquila, mas espero não precisar passar pela experiência tão cedo.

Para dar conta das seis horas de jejum - e não ficar mais do que isso sem comer -, me levantei apenas 15 minutos mais tarde do que costumo fazer, às 6h. Eu já me acostumei a levantar cedo e até acho bom. Hoje optei por não ir à academia, mas resolvi aproveitar as primeiras horas do dia para adiantar um trabalho que tinha que entregar hoje e fazer uma parte da minha lista de estudos. Foi ótimo. Às oito horas já havia enviado o texto do trabalho freelancer e iniciado os estudos.

Tirei dois dias de folga para poder me dedicar um tanto mais aos estudos. Fazer de tudo para meu cronograma dar certo. Amanhã tenho dois compromissos festivos, mas ainda assim terei várias horas para estudar.

Ontem vimos um filme muito legal! Begin Again (Mesmo se nada der certo), com meu querido Mark Ruffalo e elenco divertido, inclusive o vocalista do Marron 5. Ele tem o mesmo diretor e a mesma pegada de Once, outro filme que amei.

Agora vou voltar para os estudos.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Inferno astral?

Assim como não sou muito de dar atenção para TPM também não costumo levar em conta o tal inferno astral, aquele período estranhíssimo que antecede o aniversário. Só que às vezes parece que tanto uma coisa quanto outra nos pegam mesmo que tentemos ignorá-las. Imagina quando vêm juntas...

Acho que fico mais incomodada com a minha vulnerabilidade do que com os problemas em si. Lidar com problemas é o que fazemos ao longo da vida. De um jeito ou outro, conseguimos sempre seguir em frente - vide um post que fiz em 2011 nesse mesmo período, confesso que nem me lembro mais de quem eu esperava uma resposta.

...........

O que o sr. Inferno Astral não contava é que, justamente em seu momento de atuação, eu tivesse três viagens programadas: uma de lazer, uma de estudos e uma de trabalho. Viagens sempre têm um impacto positivo em minha vida. A primeira delas foi tão boa! Não só porque fomos para um lugar abençoado, mas porque estivemos cercados por pessoas com a vibe tão boa, que não houve qualquer chance para mimimis. 

A viagem de estudos foi boa, mas enquanto o gabarito não sair, não conseguirei diminuir o nível de ansiedade. :-/ 

A terceira pareceu mais uma semana de estudos de alemão, tamanha imersão. Nos dois primeiros dias, passei muitas e muitas horas com sete alemães, os quais obviamente só falavam em seu próprio idioma. Não vou negar que foi muito bom. Talvez seja isso que eu precise para simplesmente... falar nesta língua que adoro, mas que me provoca sentimentos contraditórios.

No grupo, estava minha nova chefe. Esta coincidência foi bastante boa, devo dizer. Um dos meus maiores receios em relação a ela era justamente o idioma. Fiz um esforço para conversar com ela especialmente somente em alemão. Para falar a verdade, nunca ouvi ela falar português. Diferente de meu chefe anterior, que falava português melhor do que muito brasileiro, acho que o português dela periga ser mais deficiente do que meu alemão, o que, de certa forma, é uma coisa boa (para mim). 

Durante esta viagem foi apresentado um trabalho que fiz durante as últimas semanas, uma revista com entrevistas e depoimentos de participantes de um programa de intercâmbio. O resultado foi muito positivo, o que me deixou bem feliz. Só não entendo - não entendo mesmo - por que ao invés de simplesmente ficar feliz pelos elogios, meu pensamento se fixe no momento em que tropecei em uma palavra durante a apresentação do trabalho, que foi em inglês. Fico me odiando duplamente, por ter errado e por ficar em crucificando. Argh!

Sobre a revista, fazia tempo que não tinha uma atividade tão, digamos, "jornalística". Tinha me esquecido do quanto isso me faz bem, do quanto me sinto capaz, da alegria de construir um texto. Acho que nos últimos anos tenho feito escolhas que me fazem parecer/sentir extremamente inexperiente, seja na pós-graduação (em uma área que não tenho grande domínio), seja no trabalho (onde não me sinto 100% segura em relação ao alemão). Talvez seja isso que tenha me enfraquecido nos últimos anos.

Ainda bem que já comecei a planejar um futuro diferente - planejar e agir. Ainda faltam alguns anos, mas como o tempo passa rápido, logo voltarei a me sentir segura profissionalmente. E disso eu tenho certeza.

Palácio do Planalto
Beleza
A bandeira que tem um mastro com 27 barras
Congresso Nacional

Vista da Torre de TV
Lá ao fundo o Palácio da Alvorada, que fica perto do hotel

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

As boas lembranças de um fim de semana feliz

Fim da tarde de sábado em Catalão/GO
Passamos um fim de semana maravilhoso na companhia de pessoas muito queridas. Viajamos na quinta à noite e ao chegarmos a Uberlândia nossos amigos Gil, Cris e Val estavam nos esperando no aeroporto. Cris e Val haviam acabado de chegar também. Dali seguimos para casa, onde Antônia, Érika e dona Odete nos aguardavam. Depois desta paradinha, seguimos para um ótimo restaurante italiano. Acho que fazia muito tempo que não ria de forma tão livre. Estavam todos inspirados.


Aproveitei a viagem à cidade para aplicar um teste de alemão. Eu não estava a trabalho, mas sabendo das dificuldades de fazer o tal teste no interior do Brasil, me ofereci para aplicá-lo. Se não tivesse feito isso, os estudantes teriam de viajar até Ribeirão Preto ou Belo Horizonte. Isso só me custou duas horas daquele dia, mas fiquei mais feliz do que os alunos até.

Em seguida, fomos para Catalão, que fica logo depois da divisa de Minas, já em Goiás. Um almoço delicioso nos esperava. Como sempre, a recepção foi maravilhosa. Eu sempre fico muito tocada com este tipo de acontecimento. Eles estão ligados a algo que prezo muito neste mundo: a amizade. Só ela mesmo para nos fazer querer dar ao outro o melhor. Nos últimos anos, especialmente por conta de nosso Le Vin au Blog fizemos muitas amizades. Tiramos esta sorte grande.

O fim de semana transcorreu da melhor maneira. Tivemos a festa de 40 anos do Gil, com direito até a banca de rock. Foi muito divertido e animado. Adoramos.

***

Retomo minha rotina aqui no Rio me sentindo feliz e animada.

A lista de tarefas para esta semana é enorme e contempla coisas que estou muito a fim de fazer. Por incrível que pareça, estudar para as três provas de sábado é o que mais me anima. Creio que seja pelo fato de sentir que estou fazendo o que quero, dando um passo a mais para o que planejo fazer em um futuro bem próximo. Dá uma satisfação colocar em prática os planos que estiveram no papel por tanto tempo.

Nesta semana também tentarei dedicar um tempo considerável ao meu doutorado. Às vezes eu acho que deveria tratá-lo como um trabalho, pois eu não costumo atrasar meus compromissos profissionais. Assim, quem sabe, eu me impusesse prazos e fizesse de tudo para cumpri-los.








quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Malas prontas

Chegou finalmente o dia da primeira viagem do mês. Estou bem animada!

Ontem conhecemos um lugar surreal aqui no Rio. Chama-se Marius Crustáceos. O dono construiu um fundo do mar, com direito a tudo que você imaginar.

Hoje vai para gráfica um projeto do trabalho que me ocupou muito nas últimas semanas. Agora, sei, vai dar até um vazio. Hoje de pensar em outras coisas.

E na semana que vem já chegamos à metade do semestre.

O dia amanheceu cinza hoje de novo. Como fui dormir muito tarde ontem, acabei pulando a academia. Semana que vem voltarei à programação normal.

Ontem correu tudo bem no salão de beleza. Acho que encontrei uma boa manicure. Tomara que ela não resolva mudar para outro lugar, como sempre ocorre.

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Muitos tons de cinza

Parece que o dia amanheceu meio triste hoje. Houve rajadas de vento à noite (não vi nada!) e de manhã o céu estava cinza, a calçada estava molhada e eu, sem pensar, dei boa noite ao seu Álvaro, nosso porteiro que trabalha das 22h às 6h. O porteiro que começa às 6h ainda não havia chegado - ou ainda estava distribuindo o jornal nos andares.

Na academia, apenas um pouco menos gente do que o normal. Projeto Verão a mil! Menos eu, que voltei às caminhadas. Perdi um pouco o ritmo nos últimos dias. Já estava na segunda semana de treinos de corrida, mas, de repente, me deu uma preguiça. Então estou fazendo caminhadas. Apesar de que hoje olhei para meus braços e fiquei pensativa... Vou ter que realmente começar a pensar neles. Ainda mais com todos os vestidos sem manga que tenho no momento - praticamente todos.

Hoje vou fazer as unhas no salão. É tão grande o desconforto que isso me causa, que estou desde ontem pensando como vou explicar à manicure de forma clara como ela deve tratar minhas mãozinhas. Na minha lista de coisas a aprender nesta vida, talvez passar esmalte colorido nas minhas próprias unhas devesse figurar bem no começo.

Hoje vamos a uma degustação em um restaurante meio bizarro situado no Leme. Estou curiosa.

Por ora, os planos todos estão dando certo. Amém.

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Setembro

Setembro é o meu mês preferido. Não apenas porque é o mês do meu aniversário, mas porque é o mês do início da primavera. Aqui no Rio é o mês em que as folhas das árvores caem (sim, é quase primavera, mas as árvores ainda pensam que estão no outono), a cidade ganha uma cor diferente. O céu fica mais azul, ainda há dias frescos.

A questão da idade, vira e mexe, é algo que nos faz pensar. Primeiro, porque queremos ter mais idade do que realmente temos, depois porque não queremos deixar uma determinada idade ou, ainda, porque não queremos que nosso corpo envelheça. O corpo realmente sente o passar dos anos. A cabeça, porém, acho que nem tanto. Talvez amadureça, aprenda a aceitar o que não pode mudar, mas envelhecer mesmo, acho que não. Conheço tantas pessoas com idade alta, mas com a cabeça "jovem". E alguns jovens antiquados.

Eu sempre fui uma jovem velha. Aos 16 anos, dizia minha irmã, eu parecia uma velha de 40. Não que isso me incomodasse. Agora, tão próxima dos 40, já devo ter comportamento de 80...