quinta-feira, 18 de junho de 2015

Viagens e cartórios

Eu gosto de planejar viagens com bastante antecedência. No final deste mês vou ao Rio Grande do Sul. Inicialmente havia reservado um hotel para duas pessoas, mas como viajarei sozinha fiz a alteração da reserva dia desses. Economia de R$ 60 ao trocar o quarto duplo por um single.

Hoje, não sei bem por que, pensei em conferir minha reserva. Ao invés de ir direto na reserva, pensei: ah, vou ver se tem um hotel melhor pelo mesmo preço. Às vezes acontece. Qual não foi a minha surpresa ao ver que o quarto que eu havia reservado estava R$ 60 mais barato no Booking. A facilidade para reservar e cancelar ajuda bastante nessas horas. Fiz nova reserva, cancelei a outra mais antiga e tudo certo. Com os R$ 60 da diferença poderei ter um jantarzinho até melhor. :)

-------------------------

Estou lidando há duas semanas com três cartórios - e o correio consequentemente.
Aliás, quando foi mesmo que começamos a perder a confiança nos correios?

No dia 1º liguei para o cartório 1, que me deu o endereço para onde teria de enviar um requerimento com firma reconhecida. No dia 2 coloquei a carta no correio. Até o dia 12 não havia chegado, sendo que o prazo dizia 4 dias úteis. Reclamei e a carta "apareceu" na caixa-postal do cartório. Quer dizer, a carta não, um aviso de que ela poderia ser retirada. Finalmente ontem, dia 17/06, a carta chegou ao destino.

Para o cartório 2 eu liguei no dia 2. Fui informada de que deveria enviar um e-mail solicitando as instruções - que eram as mesmas do cartório 1, mas eu só saberia disso quatro telefonemas e oito dias depois, quando finalmente responderam ao meu e-mail. Enviei a carta, que desta vez, ufa!, chegou rápido. Só que até agora o cartório não soube me informar se as certidões solicitadas já foram enviadas. Lá vou eu ligar novamente.

O cartório 3 não pediu requerimento, apenas um e-mail com a lista do que eu precisava. Responderam dando o valor, mas não onde depositá-lo. Depois de dois e-mails e uma ligação, consegui o número da conta e da agência. Fiz o depósito bem rápido e enviei o recibo, achando que no final daquela semana mesmo teria meus documentos. Nada.
Resolvi então ligar novamente, no dia 16/06.
- Olá, fulana. Estou ligando para saber se o dinheiro depositado chegou à conta de vocês. Enviei o comprovante por e-mail.
- Hoje ainda não abri meus e-mails ainda. Quando foi que você enviou?
- Na terça passada (ou seja, dia 9/6).
(Silêncio)
- Ah, tá, ainda falta digitar uma certidão. Amanhã mesmo te enviamos tudo.

-------------------------

Agora só me resta torcer para que realmente mandem e que isso chegue ainda dentro do meu prazo, que se esgota no dia 26.

quinta-feira, 4 de junho de 2015

Dia de feriado: vamos ao trabalho!

Ontem foi dia de faxina aqui em casa. Logo depois de sair de casa, me lembrei que havia deixado a fita métrica em cima de um balcão da sala. Senti um frio na espinha. Agora ela encontra-se em lugar incerto e não sabido - pelo menos até quarta-feira quando a Joana vem de novo.

Estou estranhando a minha calma. Tenho orientação na próxima quinta, quase nada de novo para apresentar depois das duas semanas de férias, mas curiosamente estou bem tranquila como se tudo estivesse lindo.

Hoje o dia estava bonito! Hoje é feriado. Porém,passei várias horas no trabalho e agora, já em casa, me preparo para uma nova jornada ao computador. Um dia tudo isso será passado e viverei todos os dias de sol que tiver.

De qualquer modo hoje à noite teremos massa e molho caseiros. Antes de voltar para casa passei no super e comprei várias embalagens de tomate-cereja. Oba! Nem tudo é assim ruim na vida.

Compramos uma nova máquina de lavar roupa. Ela toca uma musiquinha quando termina que sempre me deixa feliz.

Uma colega de trabalho foi demitida, mas ainda vai trabalhar por mais três meses conosco.
Há muitas maneiras de fazer mal para alguém.

Eu queria tanto fazer uma limpeza nos meus livros, mas toda vez que tento me pego justificando porque ainda mantenho cada um deles.

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Coisas da vida

Se existe algo ruim neste mundo é ter que descer pela escada rolante quando ela não está funcionando. Sempre sinto algo estranho.

Encontrei o seu Gustavo hoje no Hortifruti. Ele foi meu "colega" de fisioterapia meses atrás. Com a fala mansa e o olhar atencioso, ele me contou que a artrose tem incomodado bastante e perguntou se eu conhecia um bom reumatologista.
Ainda não, seu Gustavo.

Acho que este negócio de usar computador praticamente em todas as horas em que estou acordada tem me deixado meio ga-gá. Hoje, lendo um texto em papel, mas sentada em frente ao computador, me vi procurando o mouse na hora em que cheguei ao final da página. De certo queria rolar para a outra página...

Andando pela rua hoje me vi observando um mendigo que estava sendo retirado da frente do arquivo estadual por uns guardas. Ele se levantou, deu uma cambaleada de leve. A sacola com duas garrafinhas de plástico de cachaça haviam ficado no chão.
"Quando ele for pegar a sacola, vai se esborrachar no chão."
Dei passos largos para pegar a sacola.
Ele foi mais rápido, mas ao endireitar o corpo para cima, perdeu o equilíbrio. Eu estava do lado e o segurei. Ele me deu um sorriso e falou obrigado bem devagarinho.

Amanhã é feriado. Não pra mim.
Ansiosa pela sexta-feira, quando é sempre feriado.
E esta será especial, com direito a viagem e tudo. :)


terça-feira, 2 de junho de 2015

Roda volta a girar com tudo

Às vezes eu me sinto um hamster preso em uma roda. Corro, corro, mas não saio do lugar. Só que agora não é o momento para me sentir assim.

Meus 14 dias de férias foram muito bons. Consegui descansar a cabeça, conhecer cidades diferentes, caminhar feito louca e a ponto de ficar com dor nas pernas, andar de trem (que eu adoro), ver muitos filmes nos voos de ida e de volta, fazer um passeio com pessoas de que gosto bastante, beber umas tacinhas de vinho, não pensar em nada muito sério.

A volta ao trabalho nem sempre é fácil. Desta vez, encontrei uma nova versão do Outlook instalada em meu computador. Como fica cada vez mais difícil a adaptação a novidades tecnológicas. A ciência deve explicar esta nossa desconexão com a tecnologia à medida em que vamos ficando mais velhos. E olha que eu adoro tecnologia.

Estou tentando beber bastante água. Para acabar de vez com uma gripe e porque não há nada melhor neste mundo do que a água, por várias razões.

Claudio segue firme nos experimentos com novas farinhas, fermentos e apetrechos. Comprei em Paris alguns acessórios novos. Todos já foram testados. :) Ontem o cheiro de pão invadiu não somente o apartamento, mas o corredor.

Recebi uma carta na semana passada que me deixou muito feliz. Estava sendo esperada há quase sete anos. Agora preciso correr atrás dos documentos listados na tal carta, que precisam ser apresentados em outubro deste ano.

Aliás, falando em documentos, já está mais do que na hora de solicitar o visto americano.

Os próximos nove meses serão dedicados apenas ao que interessa: ao Claudio, à tese, aos estudos e a compromissos imperdíveis (avaliados caso a caso).

Lembranças da semana passada: