quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

A tal da vida comum

“Se você não está disposto a arriscar, esteja disposto a uma vida comum.” Jim Rohn

Estava fazendo uma limpeza no meu e-mail e me deparei com esta frase. Ela mexe comigo. Não que eu não leve uma vida comum na maior parte do tempo, mas se começo a pensar muito sobre isso fico inquieta. A vida comum não é ruim, ter rotinas não é ruim, ter horários livres na agenda não é ruim. Só que ao mesmo tempo a vida comum parece passar mais rápido do que uma vida que oscila entre (ou equilibra) o comum e o extraordinário.

Agora mesmo, como já escrevi, cheguei a um momento em que terminei vários projetos. Não tenho mais o doutorado. O curso está em período de férias. Já fiz uma limpeza nas minhas gavetas. Ou seja, estou com tempo livre para escolher o que fazer e poderia viver assim, de forma despreocupada, até março, quando começaria meu estágio e assumiria algumas horas a mais no trabalho para cobrir a licença-maternidade de uma colega.

Pensar que mal teria tempo para realizar o estágio - ou que teria de fazê-lo à noite - estava me angustiando muito. As novas tarefas no trabalho envolveriam várias viagens, o que seria ótimo, mas como poderia conciliar isso com o compromisso do estágio?

Passar um tempo fora é algo que sempre quis voltar a fazer. Não me organizei na época do doutorado. Antes disso, mudei meus planos que tinha de ir para a Itália. Sempre ficava pensando quando surgiria uma oportunidade.

Depois de conversar com duas amigas sobre o assunto, elas me encorajaram a colocar em prática um plano que havia começado a desenvolver no ano passado. Primeiro eu havia pensado em um estágio fora, mas depois pensei: por que não um semestre do meu curso?

Então em questão de poucas semanas a oportunidade surgiu e eu a agarrei.

Agora faltam 22 dias para a viagem, menos de 10 dias de trabalho. A cabeça cheia de planos e incertezas, um pouco de medo do que me reserva tanto o período fora quando a volta, mas junto a tudo isso a emoção de realizar um plano, de colocar em prática uma vontade antiga, de me dar a chance de arriscar e, quem sabe, fugir da vida comum.

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Mudanças de rumo

2017 chegou sem pestanejar, mostrando-se bem mais animado do que 2016. Claro que o ânimo em começo de ano também é sempre maior. Talvez o segredo para uma vida plena seja manter esse pique de maneira constante. Eu ainda preciso aprender muito sobre vida plena...

Meu ano começou diferente. Continuo com o mesmo volume de trabalho, mas a vida fora de lá mudou radicalmente. Pela primeira vez em muitos anos (quatro pelo menos), eu não tenho algo para fazer ao chegar em casa, ou algo ocupando a minha cabeça e me preocupando, algo que esteja atrasado, alguma leitura que ainda não fiz, os parágrafos que tenha que escrever para o meu marco teórico da tese, os exercício da classificação do curso de Biblioteconomia e assim por diante. Pela primeira vez, quando chego em casa tenho o direito de ler o que quiser, ver o filme que quiser, dormir se estiver cansada. E isso tem sido muito bom.

Agora que a vida iria entrar nesse novo formado, claro que tive que encontrar algo para tirá-la do prumo de novo. Eu gosto de mudanças, mas uma pequena parte de mim se recente com a outra, que sempre quer algo novo. Daqui a pouco mais de um mês minha vida passará por nova transformação. Na verdade, daqui a uns 15, 20 dias, já será bem diferente.