quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Tentando ser racional

Depois de um mês de férias, é como se um novo ano estivesse começando.
 Deparo-me com muitos planos e várias vontades. A realidade aos poucos acaba mostrando no que é necessário investir tempo.

Ainda estou às voltas com meu projeto de doutorado. Já virou um lenga-lenga sem fim. Neste mês, depois desta semana que tirei para colocar tudo em ordem em casa, vou me dedicar muito a isso. O tempo está acabando.

Pensei que gostaria de começar outras coisas neste semestre, mas a razão foi mais forte. 
Tenho mesmo é que definir meu projeto. Somente com ele posso ver que rumo minha vida vai tomar no ano que vem.

Ainda tenho mais uma disciplina para cursar – fico realmente incomodada por ter que fazer tantas matérias, interessantes, mas nem sempre muito úteis. Fora isso, decidi apenas fazer alemão, pois pago a metade no Goethe e acho que é uma oportunidade a ser aproveitada. Vou fazer um curso com menos carga-horária, porém.

Ao caminhar para o trabalho hoje, estava pensando sobre isso. Queremos sempre resolver nossas vidas, com um emprego, um concurso, algo que pareça seguro. No final, me parece, vida não se resolve. Vida se vive. Há sempre algo novo. Há sempre algo incompleto. E talvez isso seja o que a torne interessante.

3 comentários:

Milena disse...

Rafa! A vida é mesmo interessante e eu concordo com vc, não temos muito controle, só pensamos que temos. Principalmente pessoas como nós, que precisam fazer planos, ter programas e pensar que tem um chão debaixo dos pés!

Anônimo disse...

Verdade, Rafinha. Gostamos de ter a impressão de controlarmos mais as vidas e os fatos do que realmente podemos.

Beijos, Daise.

(comentário que estava guardado em um rascunho do iPad, porque eu não consegui postar a partir dele)

Le Vin au Blog disse...

Oi, meninas, obrigada pelos comentários. Eles sempre me deixam bem feliz e mais animada. :)
Bjs