segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Balanço 2011

Não posso reclamar de 2011. Não mesmo. Consegui colocar em prática vários dos meus planos e resolver assuntos que estavam pendentes há anos. Foi um ano de muitas realizações. Claro que ainda sobrou uma lista de desejos/afazeres, mas também não teria graça se já tivesse feito tudo.

O ano começou de forma intensa, com a reta final do mestrado. Para mim, praticamente não houve verão. Claudio teve de ir sozinho à praia várias vezes, pois eu precisei ficar estudando no fim de semana. Entrei madrugada algumas vezes, mas não muitas, pois depois da meia-noite meu corpo vai se autodesligando.

As semanas anteriores à defesa foram de pura tensão, mas eu não estava sozinha nesse processo. Havia 18 colegas passando pelas mesmas angústias. Entre eles, meus cinco queridos companheiros de agonia, mas também de encontros animados, almoços coletivos no Ibict e ajudas variadas. Não teria sido fácil sem a Ana, o Antonio, a Angela, a Neusa e a Tati. Ah, sim, e o Claudio e o Rodrigo nos encorajando de forma até irritante.

E março passou. E a defesa passou. E todos nós passamos.

Depois disso, voltei a viver. Comprei vários cupons de tratamentos que queria fazer há tempos, resolvi fazer um curso de alemão na Alemanha, fiz uns frilas para tornar isso possível, fui a Florianópolis com minha amiga Marie para visitar a Márcia, o Nicolas, a Camille e o Jacy, viajamos para São Paulo para encontrar nossos queridos amigos blogueiros, visitei minha mãe no Rio Grande do Sul, passei uns dias em Paris, consegui arrumar os armários em casa, limpar gavetas, legendar nossas fotinhos e adicionar terra às nossas plantinhas... E, agora no final, até encontrei tempo para ver novela...

Mais que isso, consegui resolver duas histórias que me incomodavam há mais de uma década. Depois de tantos anos, havia chegado a hora do perdão, dos outros e de mim mesma. Fiquei mais leve e muito feliz.

Por tudo isso, 2011 foi um ano muito especial. Um ano de pausa, de colocar as coisas no lugar, de ter tempo para pensar... De certa maneira, um ano de descanso para me preparar para o que virá em 2012 – doutorado, mais trabalho, viagens, entrar em forma e tantos outros planos, pois, sinceramente, a lista é longa.

O apoio dos amigos foi fundamental. E sou muito agradecida!

Feliz Natal e um ótimo 2012!

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

10 dias

E começa a contagem regressiva para as miniférias!

Faltam:
10 dias para esquecer do trabalho.
10 dias para não lembrar que 2012 será um ano cheíssimo.
10 dias para curtir uma viagem ao Rio Grande do Sul, ao Uruguai e ainda uma passada por Buenos Aires!
10 dias para simplesmente ser feliz.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Uma campanha

Acabei de publicar um texto lá no Le Vin au Blog para um concurso sobre o Sul da França, cujo prêmio é uma viagem para o Languedoc-Roussillon no ano que vem.

Um dos critérios de escolha do vencedor é o número de comentários. Por isso, faço aqui minha campanha: Comenta lá! :)

O link: http://levinaublog.blogspot.com/2011/12/sul-da-franca-apaixone-se.html

Muito obrigada!

domingo, 4 de dezembro de 2011

Felicidade é:

- um computador novinho em folha com tudo funcionando;

- viagem programada para daqui a duas semanas;

- novidades à espera no ano que se aproxima.


terça-feira, 22 de novembro de 2011

Arrependimento

Eu não gosto de ficar esperando, apesar de achar que este é o meu destino (enquanto eterna caroneira), mas pior que ficar esperando é deixar alguém me esperando. Fico me sentindo muito mal por isso, especialmente quando, mesmo sem querer, acabo fazendo isso com amigos.

Já devo ter feito isso algumas vezes, mas três delas me deixaram meio mal por dias. E escrevo isso agora porque voltei a deixar uma amiga à espera de uma ligação minha.

Viajamos para São Paulo no último fim de semana. A programação foi intensa. Várias comemorações do aniversário do Claudio, com diversos amigos e parentes. Achei que conseguiria encontrar minha amiga Gi para um café. Deixamos meio combinado, mas devido às tantas atividades de sábado, no domingo de manhã nem consegui sair da cama. Resultado: acabei não ligando para ela. Pior foi ela me dizer que ficou até preocupada, achando que algo tinha acontecido, pois eu nunca havia feito isso.

Ela não sabia, mas em 2006, quando viajamos para o Rio Grande do Sul, minha amiga Ju ficou uma tarde toda me esperando com uma nega-maluca feita especialmente para mim. E em abril passado, fui a Florianópolis e não liguei para minha amiga Cris.

Ouvi, como tentativa de me animar, um "acontece". Sim, eu sei que acontece, mas não deveria.

E vou fazer de tudo agora para nunca mais se repetir.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Classificação

Hoje saiu a classificação da seleção de doutorado. Obtive 8,29 pontos e acabei me classificando em quarto lugar. Fiquei surpresa e feliz.

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Feriado para organizar a vida

Não que eu tenha feito isso, mas essa era minha vontade, fazer um planejamento de como será minha vida nos próximos meses. Sinto-me tão mais feliz quando tenho tudo planejado.

Só que quero fazer tanta coisa, que nem tudo cabe no meu planejamento. Se dependesse apenas da minha vontade, por exemplo, em 2012 eu faria várias viagens. Peru, Estados Unidos, Florianópolis, Nordeste e interior da França seriam apenas algumas delas.

Voltando à realidade, sei que não será tão fácil assim, ainda mais voltando a estudar e com ideia de aumentar o horário de trabalho. E querendo continuar com a academia, as leituras de livros não acadêmicos e algumas saídas com os amigos...

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Doutora?

Nos últimos dois meses, estive envolvida com a seleção de doutorado em Ciência da Informação do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

O resultado finalíssimo, quando ficaremos sabendo a classificação de cada um dos 12 aprovados, ainda não saiu, mas ontem foi anunciada a lista de quem passou na entrevista, a terceira e última etapa da seleção.

Meu nome estava lá.

Descobri isso depois que uma das minhas amigas queridas da turma de mestrado, a Neusa, mandou um e-mail para o nosso grupinho. Ela me dava os parabéns. Foi uma situação tragicômica.

Comecei a fazer meu plano de estudos ainda em maio/junho, pelo menos a pensar sobre um assunto. O plano, porém, foi finalizado em setembro, depois que voltei das férias na Alemanha. Aprontei tudo e me inscrevi no final de setembro.

A primeira etapa foi dias depois, no começo de outubro. A prova sobre Ciência da Informação, com duas perguntas bem amplas. Uma sobre as influências das tecnologias de informação na sociedade da informação, ou algo nesta linha, outra sobre redes. Havíamos lido 13 textos sobre assuntos relacionados a esses a e a outros temas.

Dei o melhor de mim, mas essas provas abertas de mais são sempre perigosas. As provas de inglês e espanhol foram mais tranquilas.

Passei.

Veio, então, a análise do projeto. O resultado saiu dois dias antes de embarcarmos para o Enancib, o congresso da área, que neste ano foi realizado em Brasília. Eu fui lá apresentar um trabalho feito a partir da minha dissertação, que tratou sobre busca e recuperação da informação científica na web.

Passei de novo.

Sobrava a última fase: a temida entrevista. No começo brinquei que queria muito passar pelo nervosismo de encarar a entrevista.

Sim, eu estava bem nervosa na manhã da última sexta, mas o que mais me atrapalhou foi  a gripe que peguei quase que de propósito dias atrás. Eu estava me sentindo muito tola por ter me permitido ficar gripada. Fiz a entrevista meio derrotada. Estava exausta, com o corpo pesado...

Por isso, nem planejava olhar os resultados. Claudio falou que olharia. Minha amiga Tati também, mas eu mesma já estava em outra, planejando altos projetos para 2012.

Por isso a reação tragicômica. Quando vi o e-mail da Neusa, comecei a gritar com a cabeça afundada nas almofadas do sofá. Claudio querendo saber como achava a lista na internet. E eu feito uma ema, com a cabeça enfiada entre as almofadas...

Como passei e aos poucos estou aceitando a ideia, já comecei a me animar para os quatro anos bem pesados que me aguardam pela frente. Serão trabalhosos, mas sei que terei um monte de diversão também, porque uma oportunidade dessas, acredito eu, a gente tem a obrigação de viver da melhor maneira. E é assim que pretendo passar por esse doutorado.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Brasília

As cidades podem ser lindas, os passeios maravilhosos, mas ficam ainda melhores se estivermos na companhia de pessoas queridas. Eu gosto de viajar sozinha, mas tenho que admitir que passear por uma cidade acompanhada de um amigo local torna tudo mais interessante. Em Brasília foi assim. Na quarta-feira, saí para dar umas voltas com a Tatiana, ex-colega de Diário Catarinense. Foi muito bom. Obrigada, Tati!

Museu da República, mais um projeto de Oscar Niemeyer

Museu com congresso lá no fundo

Memorial Darcy Ribeiro

Memorial Darcy Ribeiro

Catedral Metropolitana de Brasília

Congresso Nacional

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

No toca-discos



Gosto desta música desde o ano passado. Foi em algum quarto de hotel ou no carro que alugamos para percorrer França e Itália que a ouvi pela primeira vez. Tão logo cheguei em casa, corri para o You Tube para resgatá-la. Adoro ouvir repetidas vezes, como várias outras músicas.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Como criar uma dor de garganta

Saia da academia depois de correr/caminhar/fazer musculação intensamente por uma hora, suada, e pare na primeira casa de sucos que encontrar. Ali, tome um suco gelado.
Caminhe até em casa, já sentindo um friozinho, que o casaco de ginástica não consegue conter.
Antes de tomar banho, decida lavar a louça, mas de pés descalços, pois as meias já foram para a máquina de lavar roupa recém-ligada. Nada como ser multitarefas...
Tudo isso feito, tome banho e saia com o cabelo molhado para comer uma pizza no supermercado perto da sua casa. Lá, sente-se perto da seção de gelados e fique curtindo aquele friozinho.
Tome água com muito gelo.
Ah, sim, não se esqueça de sair mal agasalhada de casa, especialmente se a noite estiver meio fria.
Pronto, no dia seguinte, você terá uma dor de garganta muito especial, a primeira do ano.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Brasília, aqui vou eu!

Estou envolvida com os últimos preparativos para a viagem a Brasília, no domingo.

Vou participar do Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (Enancib). Meu artigo sobre os resultados da minha dissertação foi aceito e vou lá apresentá-lo. 

Estou bem animada, mas talvez não muito pelas razões que os acadêmicos valorizam. Vai uma turma bem grande aqui do Rio. Vamos chegar todos no domingo. Então, há dias já rola uma intensa troca de e-mails sobre hotel, passagens, táxis...

Grande parte do grupo - eu inclusive - vai com passagem e hospedagem paga pela UFRJ. Vai ser quase como uma excursão do colégio.

Claro que, sendo um pouco adulta, o encontro será muito proveitoso, pois os temas das palestras e discussões são bem interessantes.

De qualquer forma, estou na torcida para que sobre um tempinho para conhecer a cidade.

***

Alguém aqui na rua está gostando de ser repórter do Globo naquela seção Eu-Repórter. Nesta semana, duas matérias foram publicadas. Uma sobre as vagas reservadas com latas de lixo. Outra, sobre a oficina aqui da esquina, que ocupa as vagas para realizar pintura e outros serviços. 

Não deixa de ser inspirador. Assuntos não faltam. 

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Mestre em fazer listas

Como boa virginiana que sou, ontem me peguei fazendo uma lista das várias pendências que tenho para resolver nos próximos meses, ou que espero resolver, pelo menos. A lista tem os itens mais diversos, de arrumação de fotos a planejamento de viagem, de marcação de consultas médicas até a preparação de um artigo. Funciona como um lembrete.

Quando o fim do ano se aproxima – ok, eu sei que ainda faltam mais de dois meses – já começo a fazer balanços e planos para o próximo ano. Quero tanta coisa! Uma boa parte sempre acaba se tornando realidade. Talvez porque foi pensada e planejada anteriormente, ou quem sabe por que estando em uma lista, eu tento fazer de tudo para torná-la realidade.

***
O festival de Cinema do Rio está rolando já há alguns dias, mas ainda não conseguir ir ver nenhum filme. Quem sabe hoje. Em 2006, em meu primeiro festival, comprei um passaporte e vi 17 filmes dos 20 que tinha direito. Minha agenda era muito mais livre naquela época e o passaporte foi meu presente de aniversário – para mim mesma. :)

***
Na minha lista imaginária – por enquanto – de planos para 2012 está uma viagem para o Peru, quer dizer, para Machu Picchu. Do ano que vem não vai passar!

***
Hoje é Dia das Crianças e também Dia de Nossa Senhora Aparecida. O feriado é motivado pela santa, mas provavelmente a maioria de nós lembra-se mais da primeira data.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Entrando em forma

Em agosto, completei cinco anos de Rio de Janeiro. Período muito bem-vivido, diga-se de passagem. Único porém nessa experiência foram os quilos a mais que ganhei nesta meia década, praticamente um por ano...

Talvez um pouco pela idade, que dificulta barbaridade perder alguns quilos. Talvez por ter passado os últimos dois anos mais na frente do computador do que ao ar livre. Talvez por que aqui no Rio a gente come mais do que deveria e muitas vezes muito pior do que deveria. (Basta andar pelas ruas para ver que realmente está todo mundo com sobrepeso e, sim, estamos virando um país de gordinhos)

Constatações feitas, resolvi tomar vergonha na cara e tentar voltar para o meu peso, pois, se continuar neste ritmo, quando completar uma década de Rio terei me transformado numa bola. E, sinceramente, não quero este destino para mim – nem pra ninguém.

Há duas semanas, voltei à academia. Sonhava com a BodyTech, mas acabei me matriculando na – mais baratinha – Smart Fit. Fiz um contrato para um ano, o que sempre considero um risco, pensando no meu histórico, mas resolvi correr o risco. Literalmente. 

Por enquanto, vou indo bem. Um grande incentivo, confesso, é assistir Mulheres de Areia enquanto caminho/corro na esteira. A academia tem tudo que preciso, os equipamentos são novos, o lugar é limpo, organizado.

Outro é pensar que minhas roupas deixarão de apertar. Não existe coisa pior, ou verdade mais descarada de que perdemos o controle, do que uma roupa ficar bem desconfortável. E isso vem ocorrendo já há algum tempo.

Também estou tentando manter uma alimentação saudável. Saladas de todos os tipos, o que eu gosto muito. Até nisso a ida a academia tem ajudado, pois o Hortifruti fica ainda mais perto. Frituras e refrigerantes estão fora da dieta, obviamente. Doces só aqueles que realmente valem a pena.

Espero, desta forma, sair de vários apertos.  

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Estamos ficando muito estranhos...

Ontem fui a uma pizzaria aqui na Zona Sul, mais especificamente em Copacabana, a Caravelle. Lá pelas tantas, resolvi ir ao banheiro, que, de modo geral, estava limpo. Só tinha um porém, o assento do vaso sanitário estava todo mijado.

Eu até entendo as pessoas que não gostam de se sentar sobre o assento nos banheiros utilizados por muita gente. Agora, você mijar em TO-DO o assento, mas todo mesmo, e não ter a classe de pelo menos secar para a próxima pessoa que iria usá-lo, isso eu não entendo. Não entendo mesmo.

E era um banheiro feminino.

***

Outra cena superestranha presenciamos ontem, quando fomos almoçar lá no Leblon. Tudo estava tranquilo até a chegada de uma família formada por mãe, pai e filho de uns cinco anos. O menino era agitadinho, mas até onde pudemos presenciar, não estava fazendo nada de mais ou que perturbasse quem estava ali.

A mãe, porém, se comportava como uma psicopata. Coitada da criança. Nem ouvimos a voz do menino, mas ele constantemente era ameaçado com "cala a boca! Cala a boca!" E que iria ficar de castigo e que logo levaria um tapa. O pai, um boca-aberta, não dizia uma palavra.

Ainda bem que já estávamos no fim e não precisamos mais ficar presenciando a cena.

Não é à toa que penso que certas pessoas não deveriam ter filhos. Esta mulher louca é uma delas.

***

Por favor e com licença são termos em extinção, isso já é fato, mas passei a observar que o obrigado também está caindo em desuso. Nas últimas vezes em que ajudei alguém a fazer alguma coisa, ainda fiquei na expectativa de um obrigado, mas, engraçado, não houve.

Outro dia estava no shopping, perto de um desses guardas que circulam ali pelo Rio Sul. Observei que um casal veio pedir uma informação, o guarda os informou, e eles simplesmente viraram as costas e foram embora!

***

Voltei à academia na semana passada. Lá, o que me impressionou foi o fato de ninguém sorrir. Você diz bom dia, diz tchau, prepara com o professor de educação física a sua ficha de exercícios e, por incrível que pareça neste nosso país tão simpático, passa por tudo isso sem ver um único sorriso. Deve estar atrelado ao preço. 99 reais mensais não devem cobrir sorrisos.

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

domingo, 25 de setembro de 2011

Trilha para estudos 1

Imitando o Vinhos para Todos, uma música muito boa para este domingo de estudos.


Devaneios de domingo

Agora que todo mundo só fala de Rock in Rio, deu até vontade de ir...

***

Meu domingo está sendo, mais uma vez, na frente do computador. Tudo vai indo bem. Da lista de exigências que tenho que cumprir até amanhã, só falta um item. O mais importante, é verdade, mas apenas um! E este também já está bem adiantado.

Quando as coisas estão predestinadas a dar certo, elas simplesmente dão. Claro que é preciso fazer a parte que nos toca, não apenas ficar esperando que tudo se resolva sozinho.

***

Era para eu estar em Porto Alegre neste domingo, mas a viagem acabou não saindo. Parece que o dia está lindo por lá, pelo que li no Facebook.

Consolo é que sei que estarei lá daqui a duas ou daqui a quatro semanas. :-)

***

Ontem fizemos um jantar muito bom. Massa maravilhosa de uma empresa de Belo Horizonte, molho imbatível da Veronese e vinho italiano. Junto a tudo isso, clima mais do que agradável em casa. Melhor impossível.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

35

Trinta e cinco motivos para estar/ser bem contente/feliz neste 20 de setembro de 2011:

  1. Amigos, a família que escolhi e ainda está em formação, e sempre aparece um integrante novo; 
  2. Cássio e Fernanda; 
  3. Mãe e pai, a família que me foi escolhida;
  4. Isabelle e Júlia;
  5. Nicolas, Lisély, Henrique, Caroline e Virgínia;
  6. As tantas famílias que tive nesses anos todos, e foram várias e continuam sendo;
  7. Meus queridos padrinhos;
  8. Luis Fernando Verissimo;
  9. Filmes, especialmente "Mensagem para você" e as mais tolas comédias românticas;
  10. Livros;
  11. Viagens, nunca suficientes;
  12. Deutsch!
  13. E todas as línguas com as quais já flertei, mas nem sempre me envolvi;
  14. Essas pessoas que vão surgindo na minha vida quando preciso aprender algo novo;
  15. O mestrado, que me deu de presente não o diploma, mas um grupo muito especial de amigos;
  16. Häagen Dazs;
  17. Paris, antiga conhecida, mas amor recente;
  18. A web;
  19. Rio de Janeiro;
  20. Florianópolis;
  21. A familiaridade de Esmeralda;
  22. A inquietude de uma redação de jornal;
  23. Uma volta na Lagoa Rodrigo de Freitas;
  24. Uma caminhada nas Rendeiras, à beira da Lagoa da Conceição;
  25. São Francisco, a cidade dos homens mais bonitos deste mundo!
  26. Nega maluca, feita pela minha mãe!
  27. O chocolate que só a minha amiga Márcia sabe fazer;
  28. Gavetas arrumadas;
  29. Rainer Maria Rilke;
  30. Bebê a Bordo;
  31. You Tube, claro!
  32. Fazer listas;
  33. Rio Grande do Sul;
  34. Meu Claudinho;
  35. E o 20 de setembro!
Talvez não nesta ordem todos os dias. :)


domingo, 18 de setembro de 2011

Durcheinander

A impressão que dá, às vezes, é que perdemos o controle das coisas - seja por um pouco, seja para sempre, seja porque algo ocorreu, seja porque não tomamos uma decisão na hora certa... Talvez seja apenas uma impressão pré-aniversário, o tal inferno astral. Só sei que tenho de resolver várias coisas nesta semana, mas estou à espera de algo que outras pessoas precisam fazer primeiro para somente depois eu poder tomar minhas decisões. Não é nada fácil esperar pelos outros. É um verdadeiro exercício de paciência.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Planejando a segunda parte das férias

E começaram os preparativos para a viagem de fim de ano. Como o Claudio não pôde viajar junto para a Alemanha, planejamos uma segunda viagem para o restante dos meus dias de férias.

Sendo assim, dia 22 de dezembro embarcamos para o Rio Grande do Sul, onde passaremos o Natal, e depois seguiremos para o Uruguai e para a Argentina. Vamos conhecer Montevidéu e rever nossa querida Buenos Aires. Como adoramos aquela cidade. Passaremos por lá o ano-novo.

Ao Rio Grande do Sul, vamos acompanhados pela mãe do Claudio. Lá também encontraremos a minha mãe e, espero, alguns amigos.

Já compramos as passagens, reservamos os hotéis. Agora, estamos decidindo pelos melhores passeios.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Últimos dias na Alemanha e mais outras coisinhas

Tanta coisa já aconteceu desde que voltei, já encontrei tantas pessoas queridas e as decisões que deveriam ser tomadas apenas em 2012 começam já a bater à porta, perguntando: e, aí, vai fazer o quê?

Aos poucos, sem precisar pensar muito, as respostas vão aparecente, serenamente. Acho que sempre sabemos das respostas - pelo menos daquelas que preferimos -, mas nem sempre temos a coragem de assumi-las.

Os últimos na Alemanha foram uma correria só, mas ao mesmo tempo bem legais. Conheci a sede da organização em que trabalho e passeei por uma região que eu ainda não conhecia da Alemanha.

Os contatos com os colegas vão se mantendo por e-mail. Espero, algum dia, me reencontrar com alguns deles pelo menos. Quem sabe algum vem nos visitar algum dia.

Algumas fotos feitas em Colônia, cidade bem bonita à beira do rio Reno.





segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Paris, algumas anotações de viagem que podem eventualmente servir para outros viajantes

Esta listinha foi feita para dois amigos muito queridos, o Jacy e a Márcia, pais do meu afilhado Nicolas. São anotações triviais, mas para quem vai experimentar Paris pela primeira vez podem ser um pouco úteis - assim eu espero, pelo menos. :-)

• Chegando ao aeroporto, seja no Orly quanto no Charles de Gaulle, vale perder (ou ganhar) uns minutinhos pegando um mapa e alguns folhetos de atrações em Paris no quiosque de informações. Pode ser interessante para planejar o que fazer.
• Tão logo saiam para as primeiras voltas, recomendo já comprar 10 bilhetes do metrô – ou passes para uma semana. Cada bilhete que vale tanto para metrô quanto para ônibus custa R$ 1,70. Comprando 10 de uma vez, paga-se 12,50 euros. Não sei quando custa um passe de uma semana, mas vale comparar os preços para ver o que vale mais a pena.
• Paris é o lugar ideal para se conhecer a pé, dando belas caminhadas, mas se não houver muito tempo, metrô é a opção rápida e prática. Há também claro ônibus, mas nunca usei. Bom do ônibus, é que por si só já é um passeio.
• Ter um mapinha de metrô sempre é bem prático. O bom é que tem metrô em todos os cantos da cidade, o que torna tudo bem mais fácil.
• Para se guiar, basta olhar sempre o nome da estação final da linha. Por exemplo, quer ir da estação Bastille até a Torre. Primeiro olha onde as linhas se cruzam. Talvez, neste caso, o mais prático fosse pegar a linha laranja (5) até a estação “Place d’Italie” (ou seja, na direção Place d’Italie), trocando ali para a linha verde (6) até a estação Bir-Hakeim (ou seja, pegando o metrô que vai na direção Charles de Gaulle Etoile). Importante é sempre conferir a direção em que o metrô está indo. Todas as estações são bem sinalizadas.
• Outra opção, BatoBus, um “barco-com-paradas”, na minha singela visão. Um bilhete para um dia todo custa 12 euros por pessoa. Pode-se descer e subir várias vezes. Há estações em Notre Dame, na torre, na Champs-Élisèes. Ideal, se for usar, é comprar bem cedinho e aproveitar o dia todo.
• Existem várias regiões com boas lojas. A mais famosa é a Grands Boulevards, onde estão as grandes lojas de departamentos. Uma estação que fica bem perto é a Chaussèe D’Antin La Fayette.
• Quem gosta de cozinha, vai amar a Lafayette Maison! Até eu fiquei com vontade de comprar coisas para fazer cup cakes! Minha amiga Marie, de Paris, fala que lá tudo é mais caro, mas para turistas acaba não tendo muito jeito...
• Provei os famosos macarrons do Pierre Hermé. São fabulosos!!! Tem também Ladurée, mas achei muito caros. Os PH custam 1,90 cada! Os da Ladurée, 3,10!!!
• Em relação a gastos triviais: é muito mais barato comprar água e bebidas em geral no supermercado (Monoprix, Franprix, Carrefour, Casino...) do que em fast foods ou outros quiosques de comidas. Existem supermercados por todos os lados.
• Nesses lugares também é bom para comprar queijos e saladas, para um jantar no hotel eventualmente.
• No domingo, um bom programa pode ser comprar queijinhos, baguette e uma garrafinha de vinho e seguir para a Place de Voges (onde fica a casa de Victor Hugo). Se o tempo estiver bom, fazer um piquenique é muito gostoso.
• Antes que eu esqueça: a maioria dos restaurantes servem menus por preços fixos, ou seja, uma entrada + prato principal ou prato principal + sobremesa. É uma boa forma de experimentar a comida francesa. Também existem os pratos do dia, com preços especiais.
• Em todos os restaurante é possível pedir uma garrafa de água de graça. Algo como “un garrafe d’eau, s'il vou plait”. Eu costumava pedir uma tacinha de vinho e essa garrafa de água. Para eles, isso é bem normal.
• De manhã, nossa opção normalmente é dispensar o caro café do hotel (se não estiver incluído na diária, claro) e procurar a padaria mais próxima. Um croissant bom pra caramba custa pouco menos de 1 euro. Há também os pães de chocolate e outras gostosuras. Um dia, por exemplo, comprei um croissant, um café e fui comer no Jardim de Luxemburgo. Foi bem bom!
• O Louvre é gigantesco. Bom entrar para conhecer, mas se for ver exposições, melhor escolher uma ala (dá para comprar o ticket por área do museu), pois é cansativo olhar tudo em pouco tempo.
• Museus menores, mas bem legais: Museu d’Orsay, L’Orangerie (este é do filme do Woody Allen, com grandes painéis – dá para comprar bilhete para ele para o Orsay junto, sai mais barato), Grand Palais, Petit Palais, Cinemateque e, claro, o Rodin, que é lindo! O que mais gosto é de imaginar que eles moravam ali, usando aquelas lareiras, escolhendo aqueles papéis de parede...
• No domingo, nem tudo está aberto. Somente alguns supers abrem, por exemplo. Os bairros mais animados no domingo e com mais opções de lugares para comer também é o Marais e Montmartre. Eu fiz o seguinte, levantei supercedo no domingo e fui até Montmartre (estação Abesses é a melhor!), vivi meus momentos de Amelie Poulain e depois de olhar tudo, fui para o Marrais, onde tem muita gente circulando. Comprei algumas coisinhas e fui comer na Place des Voges.

Claudio trambém apresenta algumas dicas, mais voltadas para os meninos ou para apreciadores/apreciadoras de vinhos:
• Enquanto as meninas olham as lojas, é possível beber uma tacinha de vinho/champagne na área de vinhos das Galeries Laffayette.
• Pela cidade toda, vocês vão ver lojas Nicolas. Trata-se de uma grande rede de lojas de vinhos. Bom para comprar vinhos para o dia-a-dia, para beber num jantar no hotel, por exemplo, ou num piquenique.
• Para comprar vinhos para trazer para casa, diz o Claudio, melhor são as lojinhas pequenas, como as que existem em Montmartre, perto da estação Abesses.
• Passeio obrigatório é a loja Lavinia, grande loja perto da igreja da Madeleine. Estando por ali, eu deixaria o marido na Lavinia e iria fazer umas comprinhas baratas na Decathlon. :-)
• Claudio recomenda levar um abridor.
• Bom lugar para comprar vinhos também são os supermercados e a seção de vinhos da Laffayette.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Quase voltando

Se tem algo que eu gosto nesta vida é viajar, mas depois de um mes por aqui, confesso que estou contando os dias para voltar, mesmo que voltar signifique ter que retornar ao trabalho e também ter que tomar algumas decisoes (difíceis) sobre 2012.

O dia hoje foi um resumo do mes, pois amanheceu com o maior sol, mas já teve ventania, chuva e céu nublado, ou seja, um pouco de tudo que vi por aqui.

Hoje foi dia de terminar a limpeza do quarto, para poder receber a caucao de 50 euros amanha de manha.

Amanha viajo de trem para Bonn, a antiga capital da Alemanha. Espero que tudo corra bem - visto que as minhas duas malas estao bem pesadas.

Nas últimas semanas näo tive muita chance de escrever. Também depois de duas semanas, a vida comeca a se repetir. Fui mais uma vez ao teatro, vimos mais um filme na universidade, aprendemos mais palavras novas e tratamos de alguns assuntos nada fáceis nas aulas de gramática.

Quando eu voltar, já vou ter que ir ao Goethe-Institut, pois neste ano tenho certeza de que terei tempo para curso de alemao ainda. Depois, quem sabe sim, quem sabe näo...

Na semana passada, visitamos Straßburg. Eu adoro aquela cidade, tem tanta vida, tantos lugares em que eu gostaria de sentar e simplesmente acompanhar o movimento.

Também fiz uma viagem a Frankfurt, regiao onde morei por 13 meses entre 1999 e 2000. A cidade me pareceu bastante mudada. Acabei encontrando apenas uma amiga, Leticia. Fazia 11 anos que nao nos víamos. Foi tao bom reencontrá-la e colocar a conversa em dia. Agora, espero que no ano que vem ela e a família toda possam nos visitar no Rio.

Hoje teremos uma festa de despedida. Todos devem levar alguma coisa. Pessoas do mesmo país deveriam combinar o que levar. Aqui, há apenas eu e Juliana do Brasil.

Nessas horas, sempre fico me perguntando o que é típico brasileiro... Feijoada? Eu mesma só fui comer feijoada depois dos 24! Brigadeiro? Mas onde comprar leite condensado? Mais nao sei... Tudo que comemos me parece tao internacional... Acabamos nos decidindo por caipirinha, mesmo que eu nunca tenha feito caipirinha, nem a Juliana.

Vamos ver como vai ser.

Uma garrafa de cachaca custa 11 euros! 25 reais! Cada limao custa 0,49, ou seja, 1 real... Recebemos 5 euros de ajuda de custo, mas diante dos gastos todos, foi quase nada. Fazer o que...

Espero que pelo menos funcionem nossas caipirinhas!

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Atividades

Os últimos dias tém sido repletos de atividades. Na semana passada, fomos ao teatro na sexta-feira. A peca contava a história clássica de Fausto, mas em uma versäo western, bem engracada. A história costuma ser bem pesada, mas da forma como foi adaptada ficou bem mais leve.

No sábado, visitamos uma festa da Idade Média, algo que calculo exista muito por aqui. As pessoas nao se vestem daquela maneira apenas para uma festa, acredito que seja quase um estilo de vida na maior parte do tempo livre. Uma vez assisti a um episódio do House, no qual ele atendia um cara que gostava de "viver" como na Idade Média.

A festa foi bem interessante. Além de barracas de comida e de cerveja, claro, havia artigos inusitados à venda, como machados e facas feitos à mao. Teve também um show de rock.





No domingo, fizemos um passeio a Heidelberg, cidade muito antiga, com 800 anos. Também a cidade onde foi fundada a primeira universidade da Alemanha, há 600 anos. Eu já havia visitado Heidelberg em 1998, mas posso dizer que nao vi grandes diferencas. :)





Na segunda, fomos conhecer algumas ruínas romanas em um lugar perto de Saarbrücken. Bem interessante e curioso. No dia, havia uma festa, com corridas de biga e luta romana. As ruínas tém mais quase mil anos. Legal é ficar imaginando como funcionava tudo há tanto tempo. Havia uma terma na regiäo, com água quente, chäo aquecido... Essas coisas sempre me deixam muito surpresa.




Detalhes

Passam pelo menos 8 ônibus perto do alojamento. Quatro deles servem para ir para o campus. Outros 5 vão até o centro. Em todas as paradas de ônibus, é possível saber quais são as linhas que passam por ali e todos os horários. Os ônibus costumam ser bem pontuais. Quando atrasam, o atraso não passa de 2 minutos.

Nós todos compramos cartões mensais. Podemos ir e vir quantas vezes quisermos. Bem prático. E bem mais barato.

A cidade não é muito grande. Então só há um Straßenbahn, algo como um bonde moderno.

Quando apertamos o botão para descer, não é necessário correr para a porta. Dá para esperar o ônibus parar e então levantar-se para descer.

Todo o campus da universidade tem cobertura wi-fi. Funciona muito bem. Cada estudante recebe uma senha e pode usar à vontade. Tem sido de grande utilidade.

O café com leite que gosto de tomar se chama Milchkaffee. Latte machiatto é com espresso, me explicou o atendente do Café Unique, bem mais forte.

Há pouquíssimo lixo pelo chao. No geral, as regras sao respeitadas.

Algo bem alemao é o tal do depósito que se faz quando se compra uma bebida. A grande maioria é retornável. Funciona mais ou menos como no passado no Brasil, quando nossos pais pagavam também pelo casco, pela garrafa. Na hora de comprar uma nova bebida, levava-se o casco para pagar apenas o conteúdo.

Uma garrafa de água, por exemplo, custa 19 centavos de euro, o pfand, como se chama o depósito/casco custa 25 centavos de euro. Vale a pena prestar a atencao a esses pequenos detalhes. Normalmente, onde essas bebidas sao vendidas, há uma máquina onde se pode depositar as garrafas para receber o dinheiro de volta.

A máquina para comprar bebidas e outra para devolver a garrafa.

Existe algo semelhante para o copos de café também.

Na Mensa, o restaurante universitário, existe uma pia onde se pode pegar água para acompanhar a refeicao. Assim, näo é necessário comprar uma bebida.


Näo sei se eu já havia escrito isso, mas em toda sala de aula há uma pia para o professor molhar a esponja com a qual apagará o quadro. Também para limpar as maos depois de passar a aula toda escrevendo no quadro com giz. A maioria das salas já tem quadro branco.


Normalmente, eu sou a primeira a chegar de manha...

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Passeios

O sábado passou bem rápido. Dei uma caminhada. E mais tarde fui ao centro. A cidade não é muito grande, mas ainda não consegui conhecer todas as lojas. 

À tarde tivemos um churrasco típico daqui. Chama-se "Schwenken". Se faz em um grill, com fogo alto. Esse grill fica preso em um tripé e o segredo, conforme me explicou o churrasqueiro é o grill ficar balançando muito, de um lado para outro.

Fizeram salsicha e carne de porco. É a carne de porco que caracteriza o Schwenken.

Eu, como sou bem chata e não sabia o que viria, pedi uma porção vegetariana. Os alemães preparam várias leguminosas, como batata, cenoura e pepino, bem temperadas e com queijo. Coloca-se entao num alumínio e leva-se ao grill. Uns 20 minutos depois está pronto. Sehr lecker!

Os dias continuam emburrados, mas como ficamos dentro da sala de aula a maior parte do tempo, isso não é exatamente um problema. De qualquer forma, bem que podíamos ter um verdadeiro dia de verão. Durante um mesmo dia, o sol pode aparecer dezenas de vezes, assim como pode chover dezenas de vezes. Normalmente, sol e chuva ficam se alternando.

No domingo, dia do passeio pela região, fez um dia lindo, apesar de às vezes o vento ser frio ou de às vezes o sol ser quente e precisarmos tirar e colocar o casaco mil vezes. 

Visitamos Trier, a cidade mais antiga da Alemanha, com mais de 2 mil anos. Sempre fico impressionada com isso. Ainda há um dos portões daquela época, a Porta Nigra.


A cidade é bonita e tem uma cultura de vinho bem forte.

Antes passamos no Saarschleife, local onde o Rio Saar tem formato de ferradura. Bem bonito. 


Para o final da viagem, estava programada uma degustação dos vinhos brancos da região. Foi na Vinícola Grumbach. Há décadas, está vinícola integra uma associação que mantém um asilo. Os velhinhos moram ao lado do porão onde foi a degustação.


Na segunda, revi um filme que já tinha visto no Unibanco Arteplex no ano passado, Alles auf Zucker. Divertido.

Na terça, visitamos uma antiga siderúrgica. Foi bem impressionante. Agora é uma grande galeria, com diferentes exposições. Bem bacana.


No fim de semana, eu pretendia ir a Berlin, mas agora as passagens estão realmente caras e decidi fazer os passeios com o grupo, beeem mais baratos. Assim, na sexta vou ver uma peça de teatro, no sábado vou a uma festa da idade média, no domingo visitaremos Heidelberg e na segunda, que aqui é feriado, vamos a algo chamado "vita romana". 

sábado, 6 de agosto de 2011

Programação intensa

Uma sessão de cinema e uma festa típica da região foram as programações das últimas duas noites. 

Na quinta, assistimos Solino, filme parte em italiano, parte em alemão. 

Ontem, fomos ao centro, às margens do Saar, onde ocorre o Saar-Spektakel. Foi interessante. Estava cheio, parece ser uma dessas festas tradicionais. Bem animada. 

Havia 2 palcos, várias barracas vendendo salsichas grelhadas com um minipãozinho, cerveja e crepes! Há bastante influêncis francesa por aqui. Saarbrücken  fica na divisa. 

Circulei por lá com Nana e Natja, da Georgia, e Ada, da Polônia. Assim, pude falar apenas alemão. Tentei ficar longe dos mexicanos. Eles só falam em espanhol. São todos meninos muito amáveis, mas, como vão ficar um ano, ainda não mergulharam no alemão.

Na minha turma, somos só eu e Ana as que falam línguas latinas. Em uma das aulas sentamos lado a lado e num momento ela virou para me perguntar o significado de uma palavra. Falei o que era em português e ela rapidamente entendeu. :-) Ela falou que vai pedir para mudar de turma, que está muito difícil...

Mais tarde, teremos um churrasco. 

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Observações gerais

Quando peguei o ônibus de Luxemburgo para Saarbrücken, torci para haver um bagageiro. Havia, mas diferente do que estou acostumada, não tinha um funcionário para colocar as malas ali. Cada um teve que dar um jeito na sua e depois fechar o bagageiro.

Quando cheguei, olhando pela minha janela eu vi um monte de restos de sofá, estantes... jogados perto do lixo. Ontem, havia uma daquelas caçambas para lixo e tudo estava dentro. Hoje já está tudo limpo, já foi recolhido. 

As cidades pelas quais passei, Paris, Luxemburgo e agora aqui, são bem limpas. 

Nos alojamentos, os estudantes separam apenas papel e garrafas de vidro. O resto vai tudo no mesmo lixo.

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Turma A

Acabei sendo colocada na turma A. Foi uma boa surpresa. A turma parece bem equilibrada. Somos uns 15, sendo que nao ha outros brasileiros na turma. E de latinos so mais uma espanhola, com sotaque carregadissimo. Ha varios colegas da Polonia, Russia, Republica Tcheca e Georgia. Ah, sim, e um turco e uma chinesa. Nao eh facil gravar os nomes assim tao rapido, mas com o tempo ha de dar. Ja sei o nome do russo Andrej, pois moramos no mesmo alojamento e ja o conheco ha dois dias.

Acho que sou a mais velha da turma. Maioria eh estudante universitario. O mais jovem deve ser o Padel, de 18 anos, estudante de Germanistica tambem de Rostock, colega e amigo do Andrej.

Por enquanto, as pessoas ainda ficam junto com seus grupos iniciais, dos alojamentos, mas com o tempo creio que haja uma mistura maior. Eu ja conversei com a Juliana, a brasileira de Curitiba que morou metade da vida no Japao, mas falamos em alemao. A primeira vez nos ultimos dias que falei em portugues foi agora pouco, pelo skype, com o Claudio.

As duas primeiras aulas foram bem boas. Gostei! O professor de gramatica eh muito bom.

Agora, vou fazer as tarefas na biblioteca antes de ir deixar minhas coisas em casa. Ä noite, temos uma sessao de cinema.

Meu alojamento fica a apenas tres paradas de onibus da universidade. Facil de vir para ca.

Tenho gostado da comida da mensa, o restaurante universitario daqui. Nao deveria, mas fico surpresa de os banheiros serem limpos e novos, de o RU ter tanta opcao diferente de comida, de as pessoas esperarem na fila, de levarem os pratos depois de terminar de almocar e deixar a mesa limpa... Nao deveria ficar surpresa com essas coisas, mas fico...




Durch die Stadt

O verão neste ano por aqui parece que não está existindo, pelo menos foi o que me disse uma das tutoras.

No primeiro dia, estava um sol superforte e muito quente, mas ontem o dia começou feio, assim como hoje. No meio do dia houve sol, chuva, nublado... Acho que vai ser assim todos os dias.

Um dos tutores, Rakan, do Iraque, fez quem não tinha trazido sombrinha, comprar um ontem à tarde.

Fizemos um passeio pelo campus e pelo centro, para aprender onde estavam os lugares que provavelmente ocuparemos.




Deu para ver que há várias lojas interessantes. Quando der, voltarei lá.

O campus é bem grande. Tem de tudo. Creio que o curso mais renomado da Universität des Saarlandes é direito e administração de empresas.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Colegas

O grupo é bem variado. Espanha, Polônia, França, uns holandeses terríveis e fumantes, asiáticos e um grande grupo de mexicanos. Conheci uma brasileira, de Curitiba. 

Ontem, fui ao supermercado com uma espanhola, de Cadiz. 

Há muitos bolsistas do DAAD. :-)

Todos parecem abertos e simpáticos. Somos pouco mais de  100.

Amanhã saberemos em qual turma estaremos. O teste foi normal, nem fácil, nem difícil. 

Um dos holandeses queria a todo momento copiar minhas respostas, como se isso tivesse alguma utilidade...

Wohnheim

Para quem trouxe computador, há um cabo no quarto do alojamento. Há também um computador para uso comum. Vou tentar baixar minhas fotos lá.

No alojamento, há até um bar, que abre 3 vezes por semana, há duas salas comunais, lugar para estudar em grupo, lavanderia, lugar para festas.

É tudo bem organizado e limpo.




São 3 prédios, interligados pelo porão. Bom para os dias de frio, pois nem é necessário sair do prédio para ir de um lado para outro.


Há um ponto de ônibus bem próximo, tanto para vir para a uni quanto para ir para o centro. Dá para vir a pé, se quiser, mas o cartão de ônibus de uso ilimitado é desestimulante. :-)

Dando adeus à França

Provavelmente quando o Claudio estava indo dormir, eu estava levantando. Meu voo era às 10h15, mas saí do hotel 7 e pouco. 

Decisão acertada, pois um monte de escadas me aguardava pela frente. 

Só fiquei sabendo quantos quilos tinha a mala ao chegar ao aeroporto: 28,5! Para alguém que pesa uns 46...

Da estação de perto de casa eu já tinha uma ideia e tracei um plano. Começava com uns 10 degraus. A mala desceu deslizando. Como a técnica deu certo, pensei em fazer o mesmo nos próximos 60! Quando estava quase no fim, um mocinho simpático se ofereceu para ajudar. 

E, para minha sorte, foi assim até eu conseguir chegar ao trem para o aeroporto. Quando me aproximava de uma escada, e todas as demais eram para subir, alguém se oferecia para ajudar.

Nem acreditei, mas cheguei menos quebrada ao aeroporto do que achei que estaria. Tão logo cheguei, percebi que não sabia bem para onde ir, mas logo me achei! Bendito inglês! A Luxair era a única sem filas. Logo descobriria o motivo...

Éramos apenas 21 passageiros, sendo 5 crianças. E o aviãozinho só tinha 3 lugares em cada fileira! :-)

Lanchinho a bordo do Luxair: suco de laranja e maçã.

35 minutos depois, estávamos em Luxemburgo. 

Do aeroporto foi bem fácil sair e ver o ônibus que iria ao centro. Como cheguei cedo, aproveitei para comer uma salada. 

O ônibus que vem pra Alemanha sai da estação de trens, mas do lado, sob o sol - e provavelmente sob chuva e neve noutras épocas do ano. 

Vi que dois portugueses conversavam perto de mim e aproveitei para confirmar se estava no lugar certo. :-)

A viagem foi bem tranquila, mas fiz uma burrada ao pegar o ônibus para a Universidade. Eu e uma coreanazinha que conheci ainda na estação. Pegamos o ônibus para o lado errado. Foi quase um city-tour.

Uma hora depois (!), chegamos na Uni. Explicações e informações mil até nossos Tutoren nos trazerem para o alojamento.

O apartamento é uma kitinete, superlimpa e cheia de mobília.

Ainda mais tarde, aprendemos a mexer na máquina de lavar roupa no porão e fomos a todos os cantos da Waldhaus, que é o nome do nosso Wohnheim, nosso alojamento. 

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Despedindo-se

Este dia deixei para as compras, encomendas e afins. Eu só não contava com as férias de agosto. Às segundas nem todas as lojas abrem, algumas estão fechadas até o fim do mês. Assim, não tive alternativa, tive de apelar para as grandes lojas lá no Boulevard Hausmann. É no ou na?

Sorte que a seção de vinhos das Galerias Lafayette é bem boa. Carregada, voltei ao hotel para deixar as compras e tomar um banho.

Voltei lá para ver se achava alguma roupa para o Claudio. Foi quando decidi provar os tão comentados macarrons. Escolhi o Pierre Herme.

Eu já tinha comido um único macarron na casa da Márcia, mas nunca um 'profissional', por assim dizer. Uau! Apaixonei! Provei o de maracujá com chocolate. Espetacular! Comi um de rosas, apesar do gosto bem particular, também estava bom. Não é que derrete na boca? Cada um custou 1,60. Passei depois pela Laduree, outra marca famosa, mas cada custava 3,10 e desisti.

Fui então para a Champs Elisees, mais compras para o Claudio. Espero que as roupas sirvam.


Tem anoitecido às 9h30/10h. Isso faz com que eu acabe jantando supertarde. Hoje resolvi antecipar, pois ainda tenho que arrumar a mala.

As miniférias acabaram. Amanhã vou para a Alemanha para estudar!

domingo, 31 de julho de 2011

Dia de domingo

Depois da maratona de ontem e de confirmar que o sol se poem somente às 22h, hoje resolvi começar mais tarde as atividades.

O jantar com meu amigo Fellipe não deu certo. O voo dele, da Alemanha para cá, atrasou. Pontualidade não tem sido uma característica da Air France. Teremos de nos ver no Rio mesmo.

Depois de observar o sol se pôr na Catedral Notre-Dame e de gastar meia hora olhando os barcos que fazem os passeios pelo Sena, segui para o Quartier Latin.


Restaurante onde jantei.

Acabei pedindo um menu, o que acabou se revelando um erro. Já na entrada, eu estava satisfeita, mas fui até o fim. O menu consistia em salada com camarões, prato de salmão com molho branco leve e massa. Creme de baunilha de sobremesa.

Cheguei ao hotel nem pensando mais. Era quase meia-noite. Cai na cama e só acordei às 9h30.

Ano passado, Claudio e eu visitamos Montmartre no domingo e depois seguimos para o Marrais. Fiz o mesmo. Engraçado, nem parece que se passou um ano.




Comi quiche olhando para os telhados de Paris. A tortinha de pera e mirtilo deixei para a Place des Voges. Tudo está muito cheio por aqui e esses dois lugares também estavam lotados.


Inclusive a exótica e engraçada Paris Plages.


Fiquei levemente corada. Tão bom pegar um sol!

Depois de caminhar pelo Marrais, não aguentava mais carregar as garrafas de vinho, encomenda do Claudio. Voltei ao hotel, onde descansei um pouco e me preparei para voltar, pois o dia ainda estava longe de terminar.

Na loja em que comprei os vinhos, entraram três brasileiros. Sem querer, ouvi a conversa. Alguns trechos: "Vinho bom de Bordeaux é mais difícil. Vamos de Cote du Rhone que é mais garantido." "Mas este de 18 euros é demais, vamos neste de quatro." "12,5%, porcentagem de álcool muito baixa é ruim, significa que o vinho ficou guardado muito tempo antes de ser engarrafado." Sabem tudo! :-)

No Louvre, um contrabaixista apresentava uma ótima seleção lá pelas 7 da tarde.

Depois, fui dar uma caminhada nas margens do Sena, terminando com uma volta de Batobus.



No final do dia, e é final mesmo, às 22h, resolvi fazer como minha cunhada Marcela, fui a um lugar conhecido e pedi o prato que gosto. Muito bom.


Amanhã o dia será intenso. Por isso, dormir é o que farei agora! Bon nuit!