Vidinha que segue

Enviei um punhado de páginas para meu orientador dar uma olhada dias atrás. Sinceramente não espero que ele vá responder, mas me fez bem fazer o e-mail com o texto assim mesmo. Enquanto ele fica lá em silêncio, nem dando retorno do texto tampouco respondendo se podemos marcar uma reunião, eu sigo com minhas leituras e construindo o meu texto da maneira que acho mais adequada, o que nem sempre é garantia de que ficará assim mesmo.

Eu fico nervosa com esta situação, mas prefiro disfarçar que não.

Bom, como repete o Claudio, agora falta apenas um ano. E um ano passa voando. Já tenho mil planos para depois do doutorado. Todos longe do mundo acadêmico, ou quase. Tenho um outro grande projeto em andamento - e este se estenderá ainda por um longo tempo. Lá por 2018 talvez eu me aposente dos estudos. A menos que invente uma coisa para nova para aprender.

Não sei se há relação com o calor, mas os mosquitos diminuíram no trabalho. A temperatura está mais amena. Talvez seja porque resolvi dar uma baforada de SBP todos os dias quando chego de manhã...

Descobri um blog novo para ler. Ô felicidade!

Troquei um livro que já comecei várias vezes a ler por um outro mais fácil. Chama-se Das Glücksbüro. Vamos ver se este será mais interessante. Quer dizer, não que o outro não seja, mas a linguagem é mais difícil.

Eu gosto de dias nublados, como os que estamos tendo no Rio. Parece que é mais fácil sentir-se relaxada e tranquila.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

De Porto Alegre a Colônia do Sacramento de carro

Meu (longo) processo de cidadania italiana

Voltei