quinta-feira, 9 de julho de 2015

De táxi

Hoje de manhã precisei ir aplicar uma prova de alemão no CEFET que fica lá perto do Maracanã. Resolvi ir de táxi, pois não me lembrava direito se o metrô chegava lá pertinho. Tão logo entrei no carro e o taxista me disse algo, pensei: "Engraçado, já conheço esta voz". Como ultimamente sempre pego táxi nesse ponto, não seria nada exótico pegar o mesmo carro duas vezes. E foi isso mesmo.

Logo depois de atender rapidamente a uma ligação, ele soltou um: "Não é fácil para um velho viver sozinho." Todas as histórias que ele havia me contado meses atrás, voltaram. A esposa morreu faz poucos anos e os filhos moram longe, um em Pernambuco e outra, em Londres. Eu me lembrava que ele sempre ia comemorar o aniversário em Recife no mês de janeiro e que o irmão é médico.

O que me impressiona na história deste homem é a falta que ele sempre da esposa. Argumentei que há muitas pessoas que passam pela vida sem conhecer ninguém interessante e que ele teve a sorte de encontrar alguém e ser feliz por muitos anos. "Quem nunca encontrou não sente esta falta porque nunca teve."

Nenhum comentário: