sexta-feira, 27 de maio de 2011

Tudo errado

Hoje é o último dia da Restaurant Week aqui no Rio. Na semana passada, conseguimos almoçar no Oui Oui. Nesta, pensamos em ir a algum lugar no centro, pois Claudio tinha um compromisso na Lapa no começo da tarde. Olhei rapidamente ontem a lista no telefone.

Quando deu 11h30, lá fomos nós para o centro, abaixo de chuva. Claudio me deixou na Marechal Deodoro e fui indo enquanto ele estacionava. A cada passo que eu dava, a chuva ficava mais grossa. As ruas do centro alagam rapidamente. Ai. E eu, que raramente uso saia, estava justamente hoje de saia.

Quando finalmente cheguei na Brasserie Rosário, a meia-calça estava toda molhada, assim como a saia e minha bolsa. O sapato era uma canoa furada.

Pelo menos o restaurante ainda estava vazio. Fui logo perguntando sobre o menu especial. Como (mais um) balde de água fria, descobri que o menu só valia para o jantar. Puxa vida!

Quando o Claudio chegou, ensopado, ainda tive de dar a notícia...

Uma vez ali, o negócio era aproveitar, mesmo que gastando o dobro do planejado. O almoço foi fantástico. Os pratos estavam realmente muito bons!

No final, valeu a pena.

Saindo dali, decidi ver a exposição do Fernando Pessoa nos correios. Foi quando descobri que a expo tinha ocorrido só até domingo.

Só me restou rir e caminhar até o CCBB.

Lá, havia uma bela nave espacial. Compensou a ida.

No final, cheguei à conclusão de que informação é tudo. E, que da próxima vez, o mínimo que devo fazer é ler tudo com atenção, para não dar literalmente com os burros n'água, como hoje.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

5 e 1/2

Hoje faz cinco anos e meio que me encontrei com o Claudio em Curitiba!

sexta-feira, 20 de maio de 2011

As sacolas de plástico

Agora foi São Paulo que proibiu o uso das sacolas de plástico.

Às vezes entendo, às vezes não entendo como este tema pode causar tanta polêmica.

Olhando agora os comentários publicados a partir da notícia no Globo, fico impressionada com algumas coisas.

Nos apegamos ao fato de que as sacolinhas servem para colocar o lixo doméstico. E que tragédia não ter mais essas sacolinhas para fazermos isso. Ali nos comentários, há vários dizendo que se recusam a comprar sacos de lixo.

Como será que se fazia antes, quando não havia essa enxurrada de sacolas de plásticos?

Outra coisa que fiquei pensando, o que essas mesmas pessoas fazem com todo o estoque semanal de sacolas que pegam nos supermercados? Se nos outros lugares funciona como aqui no Rio, todo mundo deve ter quilos e quilos de sacos plásticos em casa, e teriam seu sacos de lixo garantidos por meses, quando não anos. Aqui, ao comprar cinco produtos, os consumidores conseguem levar até mais de cinco sacolas para casa. Primeiro porque colocam sempre duas, não interessa se é uma garrafa de coca ou se é simplesmente um ou dois pães. Segundo porque muitos pensam que vão contaminar suas frutas/bolachas/farinhas ao colocar uma pasta de dente na mesma sacola...

Sei que é sempre mais fácil culpar o outro e é mais ou menos isso que acabo/acabamos sempre fazendo. Puxa, mas o que custa ter uma sacola de pano ou papel e usá-la algumas vezes?

Tudo precisa ser sempre tão dramático?

Por que quando se trata do coletivo seguimos sendo sempre tão resistentes?

Por que nos tornamos cada vez mais egoístas e agimos como se o problema do lixo (ou a questão da água) não nos dissesse respeito?


Imagina então começar a falar sobre separação de lixo...

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Frio!

E o frio chegou. Que sensação boa!

Nem tenho mais roupas de frio. Também nem vale muito a pena comprar. Apesar de ter lá seus dias frios, o Rio pede roupas mais leves. No máximo um casaquinho, mas só desses bem leves mesmo.

Ontem dei uma volta no Shopping Leblon. Decididamente preciso comprar umas roupas novas, mas vou deixar para fazer isso na viagem.

Por incrível que pareça, a professora de alemão não deu tarefa para casa hoje. Vou aproveitar para colocar fim nas que não tinha conseguido fazer até agora. Esta é a primeira vez que estou realmente me dedicando aos deveres de casa. Espero que faça alguma diferença até o fim do semestre.

terça-feira, 17 de maio de 2011

Halli Hallo

Quase dois meses pós-fim do mestrado, a vida segue de vento em popa.

Para as próximas semanas, tenho vários frilas para terminar. Isso tem um lado muito bom. Fica mais fácil pagar minhas próximas férias.

Também vou ter que começar a fazer os tais artigos pós-dissertação. Meu orientador falou que teve ideias para três artigos. Ai, ai, ai... Eu tive apenas uma e já estava achando coisa demais.

No fim de semana, pretendo ver muitos shows no Arpoador, na Virada Cultural. Leo Jaime, Blitz e Arnaldo Antunes são alguns dos que pretendo ver. Espero que dê!

terça-feira, 3 de maio de 2011

Planos, projetos e planejamentos 2

Estávamos conversando agora sobre um megaprojeto. Fiquei animada. Vontade de começar já! Torcer para que siga em frente.

Planos, projetos e planejamentos 1

Se eu pudesse fazer tudo que gostaria, provavelmente estaria ocupada 24 horas por dia.

Esses dias perguntei para o Claudio quando iríamos para o Peru, viagem que quero fazer há anos e ainda não consegui. Ele me olhou com uma expressão engraçada, riu e perguntou se eu iria entre as outras duas viagens que já estão planejadas para este ano.

Aí que me dei conta de que nem teria tempo, dinheiro, férias para ir ao Peru ainda neste ano.

Que seja no ano que vem então!

Em 2012, também pretendo ir aos Estados Unidos, passar uma semana sem fazer nada em algum ponto do Nordeste, encontrar minhas sobrinhas... Bom, sonhar não custa nada!

Estou nos últimos preparativos para a próxima viagem, em agosto. Faltam menos de três meses e eu não poderia estar mais animada.

Pena que não vai dar para ir ao casamento da minha amiga Beth, nos EUA. Gostaria muito, por ela, para vivenciar um casamento norte-americano, por envolver viagem...
Quando vi o convite também para a noite anterior à cerimônia, quando ocorre aquele jantar de ensaio, quase chorei de vontade, mas nessas horas, infelizmente, é preciso voltar ao mundo real e considerar o que é possível e o que é impossível de ser feito.

E parece que...

Todo mundo está cansando de ter blog.
Eu mesma fico semanas sem publicar nada, mas ainda desisti. Nem penso em pedir férias. Dos blogs que acompanho ali do lado acho que tem apenas um ou dois que continuam empolgados e postando com frequência. Deve ser influência de outros recursos que agora são mais usados.

Pelo menos o Le Vin ao Blog continua com atualização constante, mas não é fácil mesmo.