Agradecida, pois a vida é generosa comigo

Apesar de algumas coisas ruins que me aconteceram há um tempo, eu realmente não posso reclamar. Mesmo esses acontecimentos, que me fizeram sofrer para caramba, consigo ver agora, foram para me colocar em uma situação ainda melhor.

Amanhã começarei em meu emprego novo. Depois de anos de preparação, amanhã estrearei como bibliotecária. Não consigo nem descrever minha felicidade. Estou aqui, assim de bobeira, aí me lembro que começarei a trabalhar em uma biblioteca e não consigo mais tirar o sorriso do meu rosto. Sou boba mesma. :)

Depois de seis meses de "recuperação" em Münster, cidade bonita e querida, mudei-me na semana passada para Heidelberg, outra bela cidade alemã. Münster foi uma supresa boa. Escolhi tão por acaso, mas foi o melhor lugar para voltar a ser feliz. Achei a cidade linda já de dentro do táxi, enquanto ia pegar as chaves do apartamento onde iria morar. E olha que era janeiro, frio e chuvoso.

Foi tão fácil me acostumar a morar lá. Meu apartamento era longe do centro, tinha que pegar ônibus, mas como se incomodar com isso quando o ônibus é pontual, aparece no horário marcado no ponto? Além disso, logo conheci pessoas legais, me senti acolhida.

Para completar, também, assim meio sem fazer muito esforço (tá, tudo bem, eu me inscrevi para a vaga), consegui um trabalho temporário logo no primeiro mês. Fui temendo uma entrevista supercomplicada, já que não era minha área de atuação, e saí de lá com um trabalho e sabendo que iria receber 50% a mais do que foi anunciado na vaga - simplesmente por falar português.

Eu acredito que tudo acontece no tempo certo e foi mesmo bem assim. O emprego fixo, na área em que queria e num lugar muito bacana, chegou ao final do período em que havia planejado fazer o curso de alemão e com início uma semana depois de fazer o exame de proficiência.

Aí uma coisa que talvez não saia como o planejado, para não ficar me achando. Acho que não fui lá muito bem na prova de alemão. Na primeira hora de prova, eu me senti como se estivesse anestesiada. Quando "despertei" já estava quase no final do tempo de prova e mal consegui reler tudo para confirmar as respostas. Se der errado, posso refazer.

O lado bom, e sempre tem um, é que não preciso deste certificado para continuar vivendo na Alemanha ou para encontrar um trabalho, como vários dos meus colegas. Alguns só conseguirão renovar o visto se passarem nesta prova. Torço por eles.

Então o que posso fazer neste momento é agradecer com todo meu coração - até pelas coisas ruins -, pois a vida é muito generosa comigo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

De Porto Alegre a Colônia do Sacramento de carro

Meu (longo) processo de cidadania italiana

"If you leave, don't leave now"