segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Um pouquinho por dia, todo dia

Como já escrevi em outro post, tenho tido três objetivos diários: trabalho-academia-estudos. Aos fins de semana altero o trabalho para diversão, porque a vida não precisa ser tão difícil.

Todos os dias há alguém que me pergunta se estou muito nervosa com a proximidade da data de defesa da tese. De modo geral, não, não estou nervosa. Tenho feito um pouquinho por dia, todos os dias. Há dias em que o trabalho rende mais. Há dias em que penso no assunto mais do que realmente escrevo, mas esses dias também são bons, pois costumam render anotações para a introdução ou para a conclusão do trabalho. Eu acho até divertido, mas já tenho meia página de anotações para as conclusões. Nem sei se serão mesmo usadas ou úteis, mas estão ali e alegram meu coração.

Tenho pensado na tese em muitos momentos do meu dia. Em alguns sinto medo de escolhas erradas, de interpretações infantis ou de apenas estar repetindo algo já dito. Em seguida, afasto esse pensamento. Se eu cheguei a uma conclusão parecida à de outra pessoa, fiz isso de certa maneira sozinha, sem copiar. Então por segundos acho que nem tudo está perdido, mesmo que tenha que pensar um pouco mais no assunto e tentar ver o problema por outro ângulo, para ver se surge outra solução.

Nenhum comentário: