segunda-feira, 18 de abril de 2016

De longe

Tive a sorte de não assistir ao que ocorreu ontem no Brasil.

Estava voltando da visita a um casal de amigos que decidiu fugir da nossa bagunça carioca. Não acho que tudo no Brasil seja tão ruim assim, mas não os julgo, têm um filho pequeno que agora pode correr solto pela ruas, brincar em parques livremente e ter acesso a uma biblioteca pública linda, repleta de atividades e materiais sobre tudo, para citar só alguns exemplos.

A oportunidade de circular por algumas cidades europeias dá a oportunidade de ver o quanto estamos longe, o quando nem sabemos por qual caminho seguir. Crescer em um lugar em que as ruas são limpas, o transporte funciona, as possibilidades culturais são muitas e cada um procura fazer sua parte (porque aprendeu no colégio e em casa que é assim) deve, imagino, influenciar o modo de ser de uma criança e no adulto que irá se transformar.

Eu não sou a favor do impeachment. Não acho que seja a saída. Uma pessoa deixará o poder, mas ficará toda uma corja ainda. Por que os outros processos não ocorrem de maneira tão rápida? Tenho vontade de vomitar quando penso no Eduardo Cunha. Por que esses políticos inúteis, que só sabem olhar para o próprio umbigo, não usam esta energia para produzir um país melhor? Eu sei, sou ingênua... Afinal, o que esperar de um bando de ignorantes?

Vontade de chorar.

Nenhum comentário: