Quando é que não estamos sozinhos de verdade nesta vida?

Nossos amigos nos ouvem, nossos namorados até opinam, mas me parece que na hora da tomada de decisão, da escolha capaz de mudar a vida, contamos mesmo é só com nós mesmos.

Eu não tenho que tomar decisões neste momento. Tudo que tenho que fazer nos próximos meses já está definido, tenho tarefas suficientes para pelo menos até o meio de julho.

Só que lá no fundo da alma parece sempre haver uma confusão das bem grandes. E nas horas de questionamentos desse porte, sejam quais eles foram, só temos mesmo os nossos pensamentos, a nossa força, a nossa própria companhia para aguentar o tranco.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

De Porto Alegre a Colônia do Sacramento de carro

Meu (longo) processo de cidadania italiana

Voltei