terça-feira, 20 de setembro de 2016

Memórias do coração

Existem algumas cenas que ficam guardadas na memória de maneira mais especial que outras.

Uma delas me vem à mente sempre que escuto Sweet Caroline, do Neil Diamond, por exemplo. Eu já tinha ouvido esta música antes, mas foi a partir da minha noite de despedida de Las Vegas, cercada dos amigos que tinha feito naqueles meses, que ela passou a fazer parte das minhas lembranças mais queridas. Quando foi cantada por alguém em um karaokê qualquer em que fomos parar, o bar inteiro cantou o refrão. Sinto uma alegria ao pensar na cena. Antes de irmos para lá, os mesmos amigos haviam preparado um jantar. Um fez uma paella, outra fez guacamole, outros ofereceram a casa, um trouxe uma tequila. Lembro-me de estar encostada em um armário da cozinha observando aquelas pessoas que haviam surgido na minha vida somente algumas semanas antes e que estavam sendo tão amáveis se reunindo naquela noite para se despedir. Lembro-me que me senti bem especial.

Este último fim de semana também tem tudo para entrar para as memórias mais especiais. Pela primeira vez na vida - e talvez a única, quem sabe - reuni em um mesmo ambiente as pessoas mais importantes da minha vida nos últimos 40 anos. Havia ali quem me viu nos meus primeiros dias, quem me conheceu ainda no jardim de infância, no colégio, na faculdade, nos diferentes trabalhos, no mestrado, no doutorado ou aqueles que me foram apresentados por amigos. Ao longo desses anos todos muitos já se conhecem, criaram vínculos próprios e acho que essa é uma das maiores alegrias que eu poderia ter. Não consegui ficar todo o tempo que gostaria com cada um, mas vê-los reunidos deu um calorzinho no coração. Foi o melhor presente de aniversário que eu poderia ter escolhido. Assim como na longínqua noite de 2005, eu me senti bem especial.

E me sentir especial, neste ano inóspito e com surpresas tão desagradáveis, foi um alento.

Nenhum comentário: