segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Desapego

Fiz uma nova tentativa. Reabri uma das caixas que trouxe da casa da mãe. Na outra vez, após pegar um caderninho com resumos de livros, não tive coragem nem de olhar o resto dos guardados. Hoje fui um pouco mais corajosa.

A caixa é composta por agendas dos anos 1990, dos últimos anos em Esmeralda e do período de faculdade. Dei apenas uma espiada. Diria que é pura vergonha alheia - se não fosse a mais pura vergonha própria. :) Não que eu tenha amadurecido tanto, mas... nossa, como eu escrevia sem qualquer sendo de ridículo.

Contém ainda cartões dos mais variados e cartas de diversas pessoas. Consegui colocar algumas no lixo - com as fotos da outra caixa foi mais fácil, mas as letras sempre têm um significado maior pra mim. Nunca é fácil, mesmo que a pessoa que me escreveu nem faça mais parte da minha vida hoje. Algumas lembranças são boas demais para virarem papel reciclado, sei lá...

Agora pelo menos já sei o que tem ali e numa próxima vez talvez tenha a coragem de colocar alguma ordem, digitalizar as cartas das melhores amigas e descartar outras. Tirando os livros e gibis que tenho na casa da mãe atualmente, tudo o mais que tenho está aqui no Rio, o que é bom e ruim ao mesmo tempo. Na casa da mãe eu não precisaria me preocupar em diminuir minhas "posses", elas poderiam ficar lá guardadas para sempre.

Nenhum comentário: