terça-feira, 23 de novembro de 2010

Viagem de metrô

Costumava andar mais de metrô. No começo da vida carioca, eu achava o máximo o metrô. Era limpo, organizado e rápido. No correr desses quatro anos tanta coisa mudou e meu encantamento deu lugar a um misto de impaciência com raiva. Eu não gosto mais do metrô do Rio.

O serviço mudou para pior e consegue piorar a cada vez que preciso dele. Primeiro, é mais caro que o ônibus. Sim, acaba sendo mais rápido, mas você chega ao seu destino tão estressado quanto se tivesse enfrentado um engarrafamento sobre a terra.

Hoje fui à estação Maria da Graça, na Zona Norte, Linha 2. Eu havia usado a Linha 2 uma vez só, quando ainda seguia para a Tijuca. Depois da mudança, não. Aliás, depois da mudança, Botafogo se transformou em uma visão do inferno. Arrisco dizer que o metrô consegue, hoje, despertar os sentimentos mais odiosos em seus usuários.

Felizmente, moro perto do trabalho e da faculdade e não preciso do transporte público para meus deslocamentos, pois o que milhares de pessoas precisam passar todos os dias eu não desejaria para ninguém. As pessoas viajam espremidas, disputando centímetros de forma animal, passando calor, raiva, humilhação.

Até quando?

Nenhum comentário: