quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Instinto

Claudio ainda precisava trocar um presente e fomos ao shopping hoje à noite. Eu estava caminhando por lá quando vi uma criança chorando baixinho, tremendo e encostada em uma vitrine.

Estranho, pensei.

Cheguei um pouco mais perto, mas ainda meio de longe, perguntei se ela estava bem.

- Minha mãe estava ali, mas não está mais - apontou para dentro de uma loja.

Fui chegando um pouco mais perto e ela repetiu que a mãe não estava mais ali.

Vi que tinha um guarda do shopping por perto, fiz um sinal e ele logo veio. Perguntei ao atendente da loja se havia alguém provando roupa. Ele falou que não. O guarda começou então a falar pelo rádio.

Nisso, um outro vendedor, que percebeu a cena, falou que havia uma moça no provador e que ela tinha uma criança. Pegou o menino e o levou até lá. Caso resolvido.

Curioso é que depois passei pelos dois no corredor e a mãe nem na mão do menino estava pegando. Ele ainda estava meio choroso... Isso vai além da minha compreensão - de 'sem-filhos'.

Nenhum comentário: