domingo, 31 de julho de 2011

Dia de domingo

Depois da maratona de ontem e de confirmar que o sol se poem somente às 22h, hoje resolvi começar mais tarde as atividades.

O jantar com meu amigo Fellipe não deu certo. O voo dele, da Alemanha para cá, atrasou. Pontualidade não tem sido uma característica da Air France. Teremos de nos ver no Rio mesmo.

Depois de observar o sol se pôr na Catedral Notre-Dame e de gastar meia hora olhando os barcos que fazem os passeios pelo Sena, segui para o Quartier Latin.


Restaurante onde jantei.

Acabei pedindo um menu, o que acabou se revelando um erro. Já na entrada, eu estava satisfeita, mas fui até o fim. O menu consistia em salada com camarões, prato de salmão com molho branco leve e massa. Creme de baunilha de sobremesa.

Cheguei ao hotel nem pensando mais. Era quase meia-noite. Cai na cama e só acordei às 9h30.

Ano passado, Claudio e eu visitamos Montmartre no domingo e depois seguimos para o Marrais. Fiz o mesmo. Engraçado, nem parece que se passou um ano.




Comi quiche olhando para os telhados de Paris. A tortinha de pera e mirtilo deixei para a Place des Voges. Tudo está muito cheio por aqui e esses dois lugares também estavam lotados.


Inclusive a exótica e engraçada Paris Plages.


Fiquei levemente corada. Tão bom pegar um sol!

Depois de caminhar pelo Marrais, não aguentava mais carregar as garrafas de vinho, encomenda do Claudio. Voltei ao hotel, onde descansei um pouco e me preparei para voltar, pois o dia ainda estava longe de terminar.

Na loja em que comprei os vinhos, entraram três brasileiros. Sem querer, ouvi a conversa. Alguns trechos: "Vinho bom de Bordeaux é mais difícil. Vamos de Cote du Rhone que é mais garantido." "Mas este de 18 euros é demais, vamos neste de quatro." "12,5%, porcentagem de álcool muito baixa é ruim, significa que o vinho ficou guardado muito tempo antes de ser engarrafado." Sabem tudo! :-)

No Louvre, um contrabaixista apresentava uma ótima seleção lá pelas 7 da tarde.

Depois, fui dar uma caminhada nas margens do Sena, terminando com uma volta de Batobus.



No final do dia, e é final mesmo, às 22h, resolvi fazer como minha cunhada Marcela, fui a um lugar conhecido e pedi o prato que gosto. Muito bom.


Amanhã o dia será intenso. Por isso, dormir é o que farei agora! Bon nuit!

2 comentários:

Babi Szücs disse...

C'est fantastique!!

Marcela disse...

Estou adorando os relatos de Paris. Aproveito para agradecer a homenagem do macarrons. A pergunta que não quer calar: estavam bons? Beijos e aproveite...