terça-feira, 27 de abril de 2021

De bike

Estamos chegando ao fim de abril e me sinto orgulhosa por ter ido ao trabalho, até agora, todos os dias de bicicleta. Tomei a decisao ainda em fevereiro de cancelar meu cartao do transporte público. Por sorte, o clima ajudou. Apesar de ter havido até neve enquanto eu estava no trabalho, na hora e ir e voltar, o tempo estava seco. Frio, muitas vezes, mas seco. 

Ano passado, de abril até setembro, consegui ir praticamente todos os dias de bike pro trabalho. E eram 16km ao todo, ida e volta. Agora, sao apenas 4km. Por isso também a decisao do cancelamento do cartao - e uma economia de 65 euros mensais. Nao há desculpas para nao ir de bicicleta. O percurso dura menos de 10 minutos. Se eu precisar pegar o bonde, a passagem custa 2 euros. Também tomei a decisao para me incentivar a me mexer um pouco mais.

***

No fim de semana, o primeiro com temperaturas realmente amenas, decidimos fazer dois passeios mais longos de bicicleta. T. trouxe a bike e percorremos ao todo 90km. No sábado, fomos em direcao ao norte. Estava um dia lindo. Para chegar às cidades vizinhas, vamos por ciclovias instaladas normalmente em meio a plantacoes. Passamos por Ladenburg e em uma outra pequena cidade até chegarmos a Weinheim, nosso destino. Lá, pudemos comprar algo para comer, sentadinhos no centro da cidadezinha bonita. Depois voltamos por Schriesheim e Dossenheim. 

No domingo, fomos a Leimen, Wiesloch, Walldorf e depois Schwtzingen. Estava mais frio, mas nao menos bonito. Foi maravilhoso poder sair um pouco da rotina, do ficar só em casa. O legal dos passeios de bike é que o contato com outras pessoas é mínimo. Só mesmo quando precisamos comprar algo. Acho um meio seguro de passear.

terça-feira, 13 de abril de 2021

Estado de ânimo que se altera a cada instante

Em vários momentos diferentes, penso que gostaria de escrever um post. Só que nem sempre dá naquele instante, aí deixo pra depois e acabo esquecendo o que tinha de tao importante para registrar. 

Neste momento nao tenho nada de importante para dizer, mas gosto tanto quanto os blogs que sigo dao sinal de vida, que resolvi dar um por aqui também. 

Os dias nao têm sido fáceis. Grande novidade, né? Parece que esse martírio nao tem fim. Nao bastasse agora a cada par de dias saber de alguém que está doente por causa do vírus, no sábado perdi uma grande amiga, que teve outras complicacoes de saúde, ficou em coma por quatro meses e agora, como escreveu a nora, descansou. Toda vez que leio uma homenagem a ela, fico novamente tao desolada. Eu nao consigo acreditar que na próxima vez que nossa turminha do mestrado se reunir, seremos apenas cinco. Eu nao consigo acreditar que ela morreu. Parece que a ouco dizendo em tom conspiratório: "Isso aí, Rafinha, é tudo intriga da oposicao". 

Eu ando me sentindo angustiada demais e ansiosa demais. Comprei dois livros indicados nos comentários de um post da Lud. O primeiro, sobre depressao, fui obrigada a abandonar. Quando o autor comecou a contar como as pessoas se matavam, achei melhor parar de ler. Nao que eu esteja a esse ponto, mas ler sobre isso acho que me causaria uma angústia ainda maior. O segundo, sobre ansiedade, é mais "leve", mas acabei lendo outros dois livros enquanto o estou lendo. Aliás, um que gostei muito foi o de Alexandra Gurgel sobre odiar o próprio corpo. Vivemos mesmo numa sociedade doente.

Ainda nao consegui decidir sobre quando vou me dar uma semana de férias. Eu queria sair um pouco da rotina e nao simplesmente ficar em casa sem fazer nada. Talvez no comeco de maio, vamos ver. Abril já está quase no meio... Ano passado fizemos alguns tours de bike em maio e foi tao bom. Quem poderia imaginar que neste ano a situacao estaria pior do que há um ano.

Enquanto estava escrevendo este post, recebi uma mensagem de uma amiga brasileira. Ela conseguiu um emprego em uma biblioteca! É como se eu tivesse recebido um choque de ânimo. Estou sentindo uma alegria sem tamanho. Incrível como uma notícia boa pode ser transformadora. 


Diário do câncer de mama 6 - a primeira quimioterapia

  14.06.2022 Primeira quimioterapia, dia 1 Eu estava bem nervosa naquele dia, acordei supercedo. Comi meio Bretzel. Estava com medo de com...