quinta-feira, 21 de setembro de 2023

Elucubracoes sobre uma muda de roupa

Hoje estou vestindo a mesma roupa de cinco anos e pouco atrás, a mesma que usei para a entrevista de emprego na biblioteca. É quase como uma roupa de ir à missa. Simples, mas na qual me sinto bem. Nada aperta, não é quente e não é tão fresca. Ou seja, boa para um dia de aniversário.

Ao perceber minha escolha, pensei em várias coisas.

Primeiro: em cinco anos não comprei nada que substituísse essa dupla de calça e blusa. A calça comprei no dia da entrevista, umas horas antes. A blusa ganhei de uma ex-sogra. Ela havia recebido um presente de uma loja cara no Rio que só vendia tamanhos pequenos. Como não conseguiu encontrar nada para ela, me deu a roupa para trocar por algo para mim. Eu não sou muito consumista, tenho poucas roupas, mas todas bem simples. Se fosse convidada para algo mais chique hoje, provavelmente não teria algo mais requintado para usar. De qualquer forma, diria que meu guarda-roupa é adequado ao meu (baixo) nível de cuidados com as roupas.

Segundo: constatar que minha “roupa de ir à missa” está em ótimo estado e já tem cinco anos e meio me ligou o alerta. Aquela coisa de guardar as loucas bonitas para as visitas, sabem? Por que deixo essa roupa para usar somente quando acho que a situação é especial? Quando ela, na verdade, não tem nada de tão especial assim. Hoje de manhã quase fui na direção do jeans com camiseta, mas depois de segundos de indecisão, considerei que poderia usar as duas peças. Afinal, hoje é um dia especial.

Terceiro: tive um momento de felicidade ao perceber que, apesar de tudo que passei, minhas roupas sempre me servem.

Pequenos comentários

No curso de italiano, de vez em quando, escutamos algumas músicas. Uma delas foi “L'isola che non c'è”, de Edoardo Bennato, música q...