segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Curitiba

Voltamos ontem de Curitiba. Parece que quanto mais eu viajo de avião, mais medo eu tenho. A gripe que ia bem na semana passada, ficou melhor ainda, mas eu hei de vencê-la! Ficamos muito bem impressionados com a eficiência do ônibus executivo que faz o trajeto Aeroporto-Centro. Organizado, pontual, bom atendimento. E, melhor, por apenas R$ 8 por pessoa. Gostamos bastante do Ibis Batel. O hotel é bem simpático e os curitibanos que trabalham ali são muito atenciosos. Foi minha primeira vez em um Ibis brasileiro. E o Ibis Batel não poderia estar melhor localizado. Pertinho do centro, em frente a um shopping bacana (ótimo para presentes de última hora, farmácia e alimentação rápida) e numa região muito boa para se passear. Na sexta à noite, conhecemos o Vino! Batel. Já havíamos tido uma ótima experiência em São Paulo. Em Curitiba, não foi diferente. Adoramos. Comida espetacular, ambiente muito agradável, atendimento caloroso. E, para completar, vinhos com bom preço – de loja. Ah, sim, e ficava a apenas 300 metros do nosso hotel. Pena que a Gi e o Serginho não chegaram a tempo, mas nos encontramos no dia seguinte. Nós, meninas, fomos ao Maciel Cabeleireiros para uma maquiagem bem, digamos, curitibana. Chegou a hora tão esperada: o casamento! A Dê, que é uma boneca, estava linda, linda! A festa foi muito animada, mesmo a chuva mandando ver. O local do casamento me lembrou o salão onde a Cris e o Dorva se casaram. Estava tudo ótimo. Mesas com toalhas brancas, taças de vários tamanhos, louça bonita. Do jeito que me agrada muito. Depois da comida saborosa e dos docinhos irresistíveis, músicas muito boas para dançar. Adoramos! Passada a festa, sob a chuva, caminhamos um pouco pelo centro, mas calças molhadas e um guarda-chuva só nos obrigaram a mudar o plano. Encerramos a programação com nachos em um bar perto do hotel. Domingo, com a gripe a toda, percorremos algumas milhas entre o Batel e o Centro, relembramos a viagem de 2005, tomamos um café delicioso na Provence e, mesmo não querendo muito, voltamos para o Aeroporto e, passadas três horas, chegamos em casa.

Um comentário:

Karla Santos disse...

Oi, Rafa! Só agora vi esse post (não tenho ficado online...) Vcs foram no casamento da Dê, que bacana!!!
Não rola uma fotinho? Queria ver a noiva. :-)

beijos

Pequenos comentários

No curso de italiano, de vez em quando, escutamos algumas músicas. Uma delas foi “L'isola che non c'è”, de Edoardo Bennato, música q...